Câmara adia novamente votação do projeto de reforma do Imposto de Renda

Deputados demonstraram desconforto em aprovar a proposta atual, principalmente em relação ao trecho sobre a taxação de dividendos em 20%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília

Acessibilidade


A Câmara dos Deputados decidiu adiar mais uma vez a votação do projeto que altera a cobrança do Imposto de Renda, que estava prevista para ontem (17), mediante resistências dentro e fora do Congresso.

Deputados demonstraram desconforto em aprovar a proposta como está, principalmente em relação ao trecho que trata da taxação de dividendos em 20%. Parlamentares advogam por um escalonamento, mas a demanda deseja enfrentar pouca abertura para negociação por parte do Ministério da Economia.

LEIA TAMBÉM: Inflação na zona do euro é confirmada acima da meta do BCE em julho

Ao mesmo tempo, governos estaduais e municipais apontaram que o texto implica em perdas de arrecadação, o que compromete a prestação de serviços locais.

Ao defender a votação do projeto por considerar que chega “maduro” ao plenário, o relator da proposta, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), afirmou que se aprovada, uma medida poderia proporcionar uma redução da carga tributária sobre o setor produtivo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“É claro que existem muitas versões que circulam esse projeto … e há também muitos lobbies atuando contra esse projeto”, disse o relator, da tribuna, pouco antes de ser aprovado o requerimento que retirou a matéria da pauta de ontem (17).

“Para a ampla maioria dos brasileiros, haverá uma forte redução de carga, para os pequenos, uma isenção”, acrescentou.

Mais cedo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), simpático à votação do projeto, já havia admitido a possibilidade de adiamento.

Ao comentar que seguiria no “périplo” de tentar votar a proposta, Lira voltou a dizer que o tema não tem como chegar a um acordo ou unanimidade enquanto trata do “paradigma” de dividendos tributários. O presidente da Câmara já lembrou, em algumas ocasiões, que sua previsão inicial era colocar a matéria na votação no início de agosto, quando o Congresso retornou do recesso legislativo.

Mas a resistência ao projeto é tamanha que, segundo uma fonte, ele corria o risco até mesmo de ser rejeitado caso fosse um voto ontem (17). Várias bancadas orientaram-se a favor da retirada de pausa.

VEJA MAIS: Preços do petróleo recuam com dados da Ásia; mais bloqueios suscetíveis de demanda

 

RESISTÊNCIAS

Esta não é a primeira vez que a votação da proposta é adiada. Na última quinta-feira (12), com o projeto já em pauta, a grande maioria dos líderes de bancada pediu a Lira mais tempo para avaliar e discutir o texto. A deliberação foi postergada para esta terça, e agora mais uma vez adiada.

As resistências ao projeto não se restringem ao Congresso. Mais cedo, o Comsefaz (Comitê Nacional dos Secretários da Fazenda dos Estados e do DF) afirmou em nota que a versão mais recente do substitutivo do projeto traz perdas de arrecadação aos governos regionais.

Em outra nota, a Abrasf (Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais) afirmou que as capitais dos Estados e as maiores cidades do país sofrerão perdas de cerca de R$ 1,5 bilhão projeto caso a versão mais recente do reforma do IR seja aprovado.

Proposta original de reforma do IR do governo encaminhada à Câmara previa uma redução gradual da alíquota do IR da Pessoa Jurídica e a implantação de uma taxação de 20% sobre os dividendos, entre outras mudanças. A estimativa é que o conjunto das medidas geraria um ganho líquido de R$ 1,9 bilhões para o governo em três anos.

O relator do projeto na Câmara modificou os pontos da proposta e, em negociação com o governo, aprofundou a desoneração do IRPJ, mas também previu uma mudança na CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), que não é compartilhada com os Estados e municípios. A ideia, ao incluir um CSLL, foi poder mexer menos no IRPJ, que afeta diretamente a arrecadação dos governos regionais. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: