Minério de ferro tem perda semanal em meio a temores com demanda chinesa

O contrato mais negociado do minério de ferro fechou o dia em alta de 0,3%, US$ 119,64 por tonelada

Redação
Compartilhe esta publicação:
Muyu Xu/Reuters
Muyu Xu/Reuters

Terminal de minério de ferro no porto de Dalian, China

Acessibilidade


Os contratos futuros do minério de ferro negociados em Dalian registraram um leve ganho hoje (20), interrompendo uma sequência de três dias de quedas, mas engataram o quinto declínio semanal consecutivo, diante do aumento da inquietação do mercado com as perspectivas de demanda na China, maior produtora de aço do mundo.

O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para janeiro de 2022, fechou o dia em alta de 0,3%, a 777,50 iuanes (US$ 119,64) por tonelada, mas cedeu 8% no acumulado da semana.

LEIA TAMBÉM: China mantém taxa básica de juros, mas expectativa é de estímulo à frente

Já na bolsa de Cingapura, o contrato mais ativo da matéria-prima siderúrgica, para setembro, avançava 5,5%, a US$ 137,80/tonelada, depois de ter atingido uma mínima de mais de seis meses ontem (19). Ainda assim, também caminhava para registrar perdas na semana.

A decisão da China de limitar a produção de aço neste ano, em meio à intensificação de seus esforços de descarbonização e a novas restrições ligadas à Covid-19, impôs forte pressão aos futuros e mercados físicos do minério de ferro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O preço “spot” do minério de ferro para entrega à China, que chegou a atingir uma máxima histórica de US$ 232,50 por tonelada em maio, afundou para menos de US$ 150 nesta semana, alcançando o menor patamar desde dezembro, segundo dados da consultoria SteelHome.

“A queda nos preços esteve relacionada às condições mais fracas de demanda por aço nos setores de propriedade e infraestrutura da China“, disse Vivek Dhar, analista do Commonwealth Bank.

“As condições mais fracas de demanda nesses dois setores cruciais apenas reafirmaram ao mercado preocupações de que os cortes de produção de aço na China no segundo semestre de 2021 sejam inevitáveis”, acrescentou. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: