Preços do petróleo recuam com dados da Ásia; mais bloqueios suscetíveis de demanda

O Brent fechou uma sessão em queda de US$ 0,48, ou 0,7%, a US$ 69,03 por barril, enquanto o petróleo dos EUA recebeu US$ 0,70, ou 1%, a US$ 66,59 o barril

Redação
Compartilhe esta publicação:
Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters

Bombeamento de petróleo em Nefteyugansk, Rússia

Acessibilidade


Os preços do petróleo caíram pela quarta sessão ontem (17), diante do aumento de casos de coronavírus no Japão, um cenário de baixa demanda na Ásia e um entendimento da Opep e de seus aliados de que o mercado não precisa de mais petróleo.

O petróleo Brent fechou uma sessão em queda de US$ 0,48, ou 0,7%, a US$ 69,03 por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) recebeu US$ 0,70, ou 1%, a US$ 66,59 o barril. Ambos os contratos recuaram por três sessões seguidas.

LEIA TAMBÉM: Enquanto hospitais do Japão lutam contra a Covid-19, fundador de rede de asilos se torna bilionário

“Continua a ver suporte de US$ 65 no WTI, mas recuperações menos vigorosas do que os vendedores viam mais cedo”, disse Craig Erlam, analista de mercado sênior da OANDA.

“Um movimento abaixo aqui seria um avanço técnico significativo e certamente refletiria sérias preocupações sobre o crescimento nos próximos meses, uma vez que a Delta (variante do coronavírus) causa restrições crescentes em todo o mundo.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Japão, a terceira maior economia do mundo, estendeu seu estado de emergência em Tóquio e outras regiões ontem (17) e anunciou novas medidas cobrindo mais sete prefeituras para conter um aumento nas infecções de Covid-19, que está ameaçando o sistema médico.

Enquanto isso, a Nova Zelândia entrou em um novo bloqueio depois que o primeiro caso de coronavírus do país em seis meses foi relatado. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: