Produção de serviços no Brasil tem maior expansão em 8 anos, mostra PMI

REUTERS/Amanda Perobelli
REUTERS/Amanda Perobelli

O PMI de serviços subiu a 54,4 em julho, de 53,9 em junho devido aos novos clientes, à demanda e à suspensão de restrições locais

A forte recuperação no volume de novos negócios levou a produção de serviços do Brasil à maior expansão desde o início de 2013, com o setor mantendo trajetória de crescimento em julho, de acordo com a pesquisa do PMI (Índice de Gerentes de Compras, na sigla em inglês).

Segundo dados divulgados hoje (4) pela IHS Markit, o PMI de serviços subiu a 54,4 em julho, de 53,9 em junho, segundo aumento seguido na produção e o mais rápido em oito anos e meio. Leitura acima de 50 indica expansão.

Os participantes da pesquisa informaram que a recuperação se deveu à conquista de novos clientes, ao fortalecimento da demanda e à suspensão de algumas restrições locais.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Alguns dos obstáculos da Covid-19 enfrentados pelos prestadores de serviços diminuíram em julho, com as condições da demanda melhorando devido à diminuição das restrições locais e a maior acesso à vacina”, explicou em nota Pollyanna De Lima, diretora associada de Economia da IHS Markit.

A entrada de novos negócios aumentou pelo terceiro mês consecutivo em julho e no ritmo mais rápido desde o início de 2020, com as empresas citando esforços de marketing, aumento da vacinação e redução das restrições adotadas devido à pandemia.

De acordo com a IHS Markit, as cinco grandes áreas do setor serviços tiveram aumento de novos negócios e do índice de produção, com destaque em ambos os casos para Informação e Comunicação.

Ao mesmo tempo, os novos negócios para exportação tiveram aumento recorde no mês, com a demanda internacional apresentando melhora por três meses seguidos.

Com a demanda maior, as empresas contrataram pessoal adicional, e a alta do subíndice de emprego foi a mais rápida em mais de 11 anos. Foram citadas ainda como motivos as projeções otimistas de crescimento e a substituição de funcionários dispensados no início do ano.

Isso porque os fornecedores de serviços acreditam que a atividade de negócios vai crescer conforme a vacinação aumentar e a pandemia diminuir. O grau geral de otimismo em relação ao horizonte de 12 meses foi o segundo mais forte em sete meses, atrás de junho. Ainda assim, permaneceu abaixo da média da série.

Por outro lado, a escassez de materiais e flutuações cambiais desfavoráveis levaram os custos de insumos a aumentar novamente em julho, porém com a taxa geral de inflação recuando para o menor patamar em cinco meses.

Os entrevistados citaram custos mais elevados com alimentos, combustível, EPI (equipamentos de proteção individual), quadros de pessoal e serviços públicos. Assim, o índice de preços cobrados aumentou pelo nono mês consecutivo em julho, mas a um ritmo mais lento do que em junho.

Com o PMI da indústria brasileira mostrando que o crescimento do setor chegou ao maior nível em cinco meses, o PMI Composto do Brasil aumentou a 55,2 em julho, de 54,6 em junho, na taxa de expansão mais forte em nove meses. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).