Autoridades do Banco Central Europeu reconhecem risco de inflação superar projeções

A inflação atingiu 3% no mês passado, bem acima da meta de 2% do BCE, e pode chegar a 3,5% até novembro.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Stephane Mahe/Reuters
Stephane Mahe/Reuters

Consumidores fazem compras em mercado local de Nantes, na França

Acessibilidade


Autoridades do Banco Central Europeu ainda veem o salto recente da inflação como temporário, mas um crescente número delas parece estar reconhecendo o risco de que o aumento dos preços possa superar suas projeções relativamente benignas.

A inflação atingiu 3% no mês passado, bem acima da meta de 2% do BCE, e pode chegar a 3,5% até novembro, mas o banco vê então uma queda rápida que pode levar a alta dos preços para abaixo de 2% por anos.

LEIA TAMBÉM: OCDE afirma ser cedo para bancos centrais reduzirem suporte econômico

O aumento nos preços de commodities, gargalos de oferta e sinais crescentes de escassez de mão de obra, entretanto, são obstáculos para esse perfil dos preços ao consumidor.

O vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, defendeu esse cenário do BCE, mas destacou os riscos de alta e alertou que o banco precisa ser “muito vigilante” em relação ao risco de que as altas temporárias de preços possam se tornar permanentes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Alguns países na Europa têm aposentadorias e salários de autoridades públicas indexados à inflação”, disse de Guindos em conferência online com o “Financial Times”.

“Isso precisa ser evitado porque, se há uma indexação clara da economia à evolução de um choque temporário…pode-se converter essa evolução temporária de alta da inflação a algo que seja muito mais permanente. E isso é algo que devemos evitar.”

VEJA MAIS: Energisa contrata financiamento de R$ 166 milhões com BNDES para transmissora em Tocantins

O presidente do banco central da Grécia, Yannis Stournaras, reconheceu que o aumento real dos preços pode superar a projeção do BCE, mas argumentou que isso não deveria forçar o banco a apertar a política monetária.

“Aceitamos que há um risco de alta em relação à inflação”, disse Stournaras ao Politico em entrevista. “No passado, entretanto, projetamos para cima a inflação, esperando que isso a levasse em direção a 2% no médio prazo.”

(Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: