Novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem mais que o esperado

Esse foi o patamar mais baixo desde meados de março de 2020.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Shannon Stapleton/Reuters
Shannon Stapleton/Reuters

Agosto teve o menor número de novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA desde março de 2020

Acessibilidade


O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu na semana passada, sugerindo que o mercado de trabalho está avançando mesmo com o aumento de novas infecções por Covid-19.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 14 mil, para um número com ajuste sazonal de 340 mil na semana encerrada em 28 de agosto, informou hoje (2) o Departamento do Trabalho. Esse foi o patamar mais baixo desde meados de março de 2020, quando os negócios não essenciais foram fechados para desacelerar a primeira onda de casos de coronavírus.

VEJA TAMBÉM: Desemprego no Brasil cai a 14,1% no 2º trimestre, mas mercado de trabalho ainda busca recuperação

Economistas consultados pela Reuters previam 345 mil novos pedidos para a última semana.

Os registros já caíram ante um recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020, mas permanecem acima da faixa de 200 mil a 250 mil que é vista como consistente com condições saudáveis do mercado de trabalho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A última onda de infecções por Covid-19, impulsionada pela variante Delta, e uma escassez implacável de trabalhadores deixavam alguns economistas antecipando forte desaceleração no crescimento do emprego no relatório de criação de vagas de agosto do governo, que será divulgado amanhã (3).

Os indicadores do mercado de trabalho no mês passado foram mistos. Um indicador de emprego nas fábricas do ISM (Instituto de Gestão do Fornecimento, em português) contraiu em agosto e caiu para seu nível mais baixo desde novembro.

O Relatório Nacional de Emprego da ADP mostrou ontem a criação de apenas 374 mil empregos no setor privado em agosto. O relatório, no entanto, tem um histórico ruim de previsão da criação de vagas no setor privado no relatório de emprego do Departamento do Trabalho, que é mais abrangente e observado de perto.

VEJA TAMBÉM: CEO da Amazon anuncia 55 mil empregos no primeiro esforço de contratação de sua gestão

De acordo com pesquisa da Reuters com economistas, a criação de empregos fora do setor agrícola foi de provavelmente 750 mil postos de trabalho no mês passado, após abertura de 943 mil vagas em julho.

“Esperamos que o relatório de empregos mostre que a economia continuou criando empregos em um ritmo rápido em agosto, desafiando os surtos da variante Delta da Covid-19 em todo o país”, disse Julia Pollak, economista-chefe da ZipRecruiter.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: