Perspectivas econômicas do Brasil são sombrias sem reformas, diz Armínio Fraga

Déficit fiscal, falta de crescimento inclusivo e sustentável e agitação política são alguns dos fatores que pesam sobre a expansão e o investimento.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Fridman/Getty Images
Paulo Fridman/Reuters

Armínio Fraga, economista e ex-presidente do Banco Central

Acessibilidade


As perspectivas econômicas do Brasil parecem sombrias a menos que o governo adote reformas estruturais para aumentar a confiança na saúde financeira do país, afirmou Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, ontem (1).

Um déficit fiscal crescente, falta de crescimento inclusivo e sustentável e agitação política, junto com o impacto duradouro da recessão de 2014, pesam sobre a expansão e o investimento, disse Fraga no Reuters Global Markets Forum.

LEIA TAMBÉM: Câmara aprova texto-base do projeto de reforma do Imposto de Renda

A taxa de crescimento brasileira é “medíocre…e altamente volátil”, disse Fraga, que comandou o BC de 1999 a 2002. “Vai além da pandemia e dos ciclos de curto prazo.”

Desempenhos fracos da indústria e da agropecuária ofuscaram a força de serviços e a economia brasileira registrou leve queda no segundo trimestre deste ano, perdendo força em relação ao início de 2021 e estabilizando-se depois de três trimestres seguidos de crescimento.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Fraga disse que a pressão sobre o teto de gastos só aumentará se as prioridades não forem alteradas, especialmente em meio a “artifícios contábeis”.

Ele considera uma reforma vital a proposta que altera regras do Imposto de Renda, cujo texto principal foi aprovado pela Câmara dos Deputados ontem (1).

Fraga, sócio-fundador da Gávea Investimentos, acredita que outras reformas, como o aumento dos gastos em seguridade social, subsídios e educação, podem elevar de forma coletiva a taxa de crescimento anual do Brasil para 4% ou mais.

No momento em que o BC eleva os juros para conter a inflação, Fraga acredita que a situação não está totalmente sob controle.

VEJA MAIS: Alimentos e habitação pressionam e IPC-Fipe sobe 1,44% em agosto

Essa é uma dinâmica vista no real, segundo Fraga, que ele acredita estar subvalorizado.

O Brasil está entre os mercados emergentes que podem sofrer com o início da redução de estímulos pelo Federal Reserve, mas o câmbio flutuante e mercados financeiros saudáveis devem ajudar a aliviar o golpe, disse Fraga.

“Se os juros reais (de economias avançadas) entrarem em território positivo e as commodities caírem, o Brasil será atingido. Mas isso não deve ser o suficiente para atrapalhar as coisas completamente”, completou. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: