Arrecadação federal sobe 12,9% e atinge nível recorde para setembro

Governo arrecadou R$ 149,102 bilhões, maior valor já registrado para o mês

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Moedas de um real

Acessibilidade


A arrecadação do governo federal teve alta real de 12,87% em setembro sobre igual mês do ano passado, a R$ 149,102 bilhões, maior valor já registrado para o mês na série histórica iniciada em 1995, divulgou a Receita Federal hoje (26).

O resultado veio levemente acima da expectativa de arrecadação de R$ 147,85 bilhões, segundo pesquisa Reuters com analistas, e foi diretamente beneficiado pela alta de 16,94%nos impostos recolhidos das empresas a título de Imposto de Renda Pessoa Jurídica/Contribuição Social sobre Lucro Líquido.

LEIA TAMBÉM: Goldman Sachs e Citi juntam-se a coro de bancos que vêem alta de 150 pontos-base da Selic

De janeiro a setembro, a arrecadação cresceu 22,30%, também em termos reais, somando R$ 1,349 trilhão –patamar também recorde para o período.

Segundo a Receita, o resultado nos nove primeiros meses do ano foi positivamente impactado por recolhimentos extraordinários de cerca de R$ 31 bilhões em IRPJ/CSLL. No mesmo período de 2020, a arrecadação extraordinária nessa linha foi muito menor, alcançando R$ 5,3 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Enquanto em 2020 os diferimentos de tributos somaram R$ 58,069 bilhões de janeiro a setembro, tendo sido permitidos pelo governo para mitigar os efeitos da crise de coronavírus, neste ano eles somaram apenas R$ 2,031 bilhões no mesmo período.

Em contrapartida, as compensações tributárias subiram 28,05% no acumulado de 2021, a R$ 152,987 bilhões.

Olhando apenas para as receitas administradas pela Receita Federal, houve aumento de real de 12,45% em setembro e de 21,50% no acumulado do ano. Excluídos os fatores não recorrentes, as altas seriam de 10,34% e 13,79%, respectivamente, informou a Receita. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: