Biden acusa republicanos de imprudência em relação a teto da dívida dos EUA

País enfrenta risco de um calote histórico em apenas duas semanas

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Republicanos do Senado bloquearam duas vezes ações para aumentar o teto da dívida e são criticados pelo presidente Joe Biden

Acessibilidade


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, acusou republicanos no Senado de adotarem uma postura “imprudente” ao recusaram-se a unir-se aos democratas para votar pelo aumento da dívida de US$ 28,4 trilhões enquanto os EUA enfrentam o risco de um calote histórico em apenas duas semanas.

Republicanos do Senado bloquearam duas vezes ações para aumentar o teto da dívida –afirmando que querem ação mas recusando-se a ajudar.

LEIA TAMBÉM: Bilionários brasileiros perdem mais de R$ 50 bilhões em setembro

Os republicanos dizem que os democratas pode usar uma manobra parlamentar conhecida como reconcialiação orçamentária para agirem sozinhos.

O que os republicanos no Congresso estão “fazendo hoje é muito imprudente e perigoso na minha opinião”, disse Biden a repórteres em entrevista na Casa Branca. “Elevar o limite da dívida tem a ver com pagar o que já devemos… não algo novo.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No fim do mês passado, a Câmara dos Deputados aprovou e enviou ao Senado um projeto de lei para suspender o limite de empréstimos do Tesouro até o final de 2022. Existe a expectativa de que o líder da Maioria no Senado, Chuck Schumer, um democrata, tente conduzir uma votação sobre a medida nesta semana.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, advertiu parlamentares na semana passada que o país está perto de exaurir suas capacidades federais de endividamento, o que pode acontecer a partir de 18 de outubro.

A inação pode ter consequências econômicas catastróficas. A Moody’s alertou no mês passado que uma omissão poderia causar um declínio de quase 4% na atividade econômica, a perda de quase 6 milhões de empregos, uma taxa de desemprego de quase 9%, vendas abrangentes no mercado acionário que poderiam evaporar com US$ 15 trilhões em riqueza das famílias e um aumento nas taxas de juros sobre hipotecas, empréstimos ao consumidor e dívidas de empresas.

Os democratas destacam que votaram para elevar o teto da dívida durante o governo republicano de Donald Trump mesmo sendo contra fortes cortes tributários que ampliaram a dívida.

“Elevar o limite da dívida é normalmente uma empreitada bipartidaria, e deve ser”, disse Biden.

Biden atribuiu às “políticas de gastos e tributária imprudentes” do governo Trump a necessidade de elevar o limite da dívida, destacando que os EUA acumularam quase US$ 8 trilhões em dívida nova ao longo de quatro anos, mais de um quarto de toda a dívida pendente.

“Os republicanos no Congresso elevaram a dívida três vezes” sob Trump, com apoio democrata, disse ele. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: