Companhias aéreas preveem perdas menores em 2022 com recuperação à vista

O número total de passageiros deve aumentar para 3,4 bilhões no próximo ano, de 2,3 bilhões em 2021.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Darrien Abate
Darrien Abate

Segundo Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo), o número total de passageiros deve aumentar para 3,4 bilhões no próximo ano

Acessibilidade


As companhias aéreas globais projetaram hoje (4) uma diminuição acentuada nas perdas da indústria no próximo ano com a recuperação da crise do coronavírus, que avança em diferentes velocidades, mas revisou para cima os danos financeiros impostos pela pandemia em 2020 e 2021.

A Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo), principal órgão comercial do setor, previu que as perdas líquidas nas companhias aéreas diminuirão para US$ 11,6 bilhões em 2022, ante US$ 51,8 bilhões neste ano.

LEIA TAMBÉM: WhatsApp, Facebook e Instagram ficam fora do ar para milhares de usuários; ações caem mais de 5%

As perdas para 2021 foram revisadas para cima, estimadas em abril em US$ 47,7 bilhões. A Iata também revisou para cima as perdas em 2020 para US$ 137,7 bilhões, ante US$ 126,4 bilhões previstos anteriormente.

Enquanto as companhias aéreas de todas as regiões devem ter um desempenho melhor, a expectativa é de que as da América do Norte voltem a obter lucro no próximo ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Já ultrapassamos o ponto mais profundo da crise”, disse o diretor-geral da Iata, Willie Walsh, na reunião anual do grupo. “Embora problemas sérios permaneçam, o caminho para a recuperação está aparecendo.”

Ainda assim, a Iata pediu aos governos que mantenham as medidas de apoio salarial e as oscilações de vagas até que o tráfego internacional se recupere.

A expectativa é que a demanda por viagens internacionais dobre no próximo ano e alcance 44% dos níveis de 2019. No entanto, a taxa de vacinação, bem como o levantamento das restrições de fronteira impostas pelo governo, determinarão o ritmo de recuperação.

“As pessoas… estão sendo impedidas de fazer viagens internacionais por restrições, incertezas e complexidade”, disse Walsh.

Como os governos estão vendo as vacinas como uma saída para a crise de saúde, Walsh disse que elas precisam ser disponibilizadas para quem as quiser.

A expectativa é de que a demanda por viagens domésticas atinja 93% do nível pré-pandemia em 2022 – uma melhoria de 20 pontos percentuais em relação a este ano.

O número total de passageiros deve aumentar para 3,4 bilhões no próximo ano, de 2,3 bilhões em 2021, estima a Iata, mas ficará abaixo dos 4,5 bilhões em 2019. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: