Ibovespa abre em alta após dado da inflação de setembro

O dólar recua 0,31% ante o real e é negociado a R$ 5,49.

Iasmin Paiva
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta no início do pregão de hoje (8), com avanço de 1,31%, a 112.029 pontos, por volta das 10h11 no horário de Brasília. O mercado internacional repercute os dados de emprego nos Estados Unidos, que registrou 194 mil novas vagas em setembro, abaixo da expectativa de alta de 500 mil, e das 366 mil registradas em agosto.

No contexto doméstico, os investidores levam em conta a inflação de setembro, divulgada nesta manhã pelo IBGE e continuam de olho nos desdobramentos fiscais em Brasília, às vésperas de feriadão nacional.

Nos indicadores, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 1,16% em setembro, após alta de 0,87% no mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira. No acumulado de 12 meses até setembro, o indicador da inflação teve alta de 10,25%, contra alta 9,68% do mês anterior. Uma pesquisa da Reuters apontou que a expectativa de analistas era de alta de 1,25% em setembro, acumulando de 10,33% no último ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em Brasília, a equipe econômica tenta avançar no Legislativo com a proposta de arrecadação de imposto de renda a partir do texto da reforma do IR.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O dólar recua frente ao real, em meio ao avanço da inflação doméstica e recuo nos dados do mercado de trabalho norte-americano. Às 10h11, a moeda era negociada em queda de 0,31%, a R$ 5,4988.

Os índices futuros dos Estados Unidos caminham para uma abertura com volatilidade, após a divulgação do payroll, relatório de emprego e importante indicador da saúde econômica do país. O relatório, além de indicar queda no nível de novas contratações do país, também mostrou queda na taxa de desemprego, a 4,8% em setembro, ante 5,2% no mês anterior, abaixo também da expectativa de 5,1% dos economistas.

Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora, explica que o relatório traz uma sinalização se a economia norte-americana está caminhando ou avançando bem. “Sabemos que é importante para a decisão da manutenção ou retirada dos estímulos por parte do Fed [o banco central norte-americano].”

Além disso, os investidores seguem atentos para os gastos do governo para os próximos meses, como o aumento do teto das dívidas e os projetos de infraestrutura. Ontem (7), o Senado dos Estados Unidos aprovou a elevação temporária do limite de dívida do governo de US$ 28,4 trilhões, evitando assim o risco de um calote histórico neste mês. Uma decisão mais duradoura ficou para dezembro.

As Bolsas europeias operam sem direção definida, seguindo um sentimento global mais cauteloso devido a incertezas sobre o crescimento econômico e o aumento da inflação. Os operadores também continuam atentos aos próximos passos do BCE (Banco Central Europeu), que definirão o futuro da política monetária na região.

O Stoxx 600 cai 0,24%; na Alemanha, o DAX recua 0,23%; o CAC 40 desvaloriza 0,43% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,10%; enquanto no Reino Unido, o FTSE 100 recua 0,03%.

Os mercados asiáticos fecharam o último pregão da semana em terreno positivo, no primeiro dia de funcionamento do mercado chinês após uma semana de feriado. Os dados do setor de serviços e o alívio nas tensões políticas com os Estados Unidos contribuíram para o movimento de alta.

O PMI (Índice de Gerentes de Compras) de serviços de Caixin/Markit subiu a 53,4 de 46,7 em agosto, afastando-se da mínima vista desde o ápice da pandemia no ano passado. A marca de 50 separa crescimento de contração. Segundo a pesquisa, a atividade no setor de serviços da China voltou a crescer em setembro, uma vez que diminuiu um grande surto de Covid-19 na província de Jiangsu.

O Hang Seng, de Hong Kong, subiu 0,55%; o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em alta de 0,64%; na China, o índice Shanghai, avançou 0,67%; e no Japão, o índice Nikkei teve valorização de 1,34%.

O minério de ferro de Dalian, na China, atingiu a máxima de um mês, com participantes do mercado otimistas com as perspectivas de demanda pelo material da maior produtora de aço do mundo. O minério de ferro mais negociado na Bolsa de Dalian chegou a atingir 769 iuanes, o maior valor desde 6 de setembro, com alta de mais de 5%. Enquanto, na Bolsa de Cingapura saltava quase 7%, para mais de US$ 125 a tonelada.

Os preços do petróleo operam em alta nesta sexta-feira, caminhando para um ganho semanal de mais de 4%, diante de sinais de que algumas indústrias começaram a trocar o combustível de gás pelo petróleo e de dúvidas de que o governo dos EUA iria liberar a commodity de suas reservas estratégicas. Por volta das 9h50, os futuros do petróleo Brent subiam 1,03%, a US$ 82,79 por barril, enquanto os futuros do WTI avançavam 1,15%, a US$ 79,20 o barril. (com Reuters)

Compartilhe esta publicação: