Senado dos EUA aprova aumento temporário do teto da dívida e evita calote

Senadores elevaram o limite de dívida de US$ 28,4 trilhões, mas adiaram para dezembro uma decisão mais duradoura.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Joshua Roberts
REUTERS/Joshua Roberts

Senadores elevaram o limite de dívida de US$ 28,4 trilhões, mas adiaram para dezembro uma decisão mais duradoura

Acessibilidade


O Senado dos Estados Unidos aprovou uma legislação na quinta-feira para elevar temporariamente o limite de dívida do governo de US$ 28,4 trilhões e evitar o risco de um calote histórico neste mês, mas adiou para dezembro uma decisão sobre uma solução mais duradoura.

O Senado votou por 50 a 48 para aprovar o projeto após semanas de disputa partidária. Mais cedo, 11 republicanos votaram a favor de uma votação processual permitindo que o projeto avançasse.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O projeto agora vai para a Câmara dos Deputados, que precisa aprová-lo antes que o presidente Joe Biden possa promulgá-lo. A Câmara fará a votação na próxima terça-feira (12), de acordo com o gabinete do segundo democrata da Câmara, Steny Hoyer.

“O presidente Biden está ansioso para promulgar esse projeto assim que for aprovado pela Câmara e chegar à sua mesa”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em comunicado ontem (7).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O aumento de US$ 480 bilhões, que elevará o limite da dívida para US$ 28,9 trilhões, deve se esgotar até 3 de dezembro, mesmo dia em que o financiamento para a maioria dos programas federais vence segundo uma medida paliativa aprovada neste mês após outro impasse partidário.

Isso significa que nas próximas oito semanas o dividido Congresso terá os desafios de encontrar um terreno comum sobre os gastos das agências até setembro de 2022 – indo de educação a imigração e segurança nos aeroportos – e evitar outro colapso do limite da dívida. (com Reuters)

Compartilhe esta publicação: