Forbes Radar: Eneva, Tegma, Alper, Bradesco e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Engie Brasil, Eneva, Tegma, Alper, Bradesco, Mercado Livre, Minerva, JHSF.

Mariangela Castro
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (5), Engie Brasil divulga alta de 30,4% e Tegma de 14,2% no lucro líquido registrado no terceiro trimestre de 2021. Ambas as empresas publicaram seus resultados após o fechamento dos mercados ontem (4).

A Alper também informa compra de 100% do capital social da Jorge Daniel Administradora e Corretora de Seguros (JDM), com pagamento de R$ 54 milhões, sendo R$ 20 milhões pagos à vista e o restante entre 2023 e 2026.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Engie Brasil (EGIE3)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Engie Brasil Energia informou ontem (4) que teve lucro líquido de R$ 639 milhões no terceiro trimestre, alta de 30,4% ante mesmo período do ano passado. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da controlada da francesa Engie atingiu R$ 1,7 bilhão no trimestre, alta de 18,5% na comparação com mesma etapa de 2020.

A empresa atribuiu o avanço a fatores como acréscimo de R$ 265 milhões no Ebitda recorrente, que compensou o aumento de R$ 17 milhões da depreciação e amortização e de R$ 71 milhões das despesas financeiras líquidas, além de 62 milhões de impostos e tributos.

A companhia destacou também um efeito não recorrente de reversão de impairment no valor de R$ 51 milhões, em consequência de reavaliação do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda e da Usina de Cogeração Lages.

O preço médio dos contratos de venda de energia, líquido dos tributos sobre a receita e das operações de trading, foi de 217,52/MWh no terceiro trimestre, valor 11,5% superior ao registrado um ano antes. A energia vendida no trimestre, sem considerar as operações de trading, foi de 8.270 GWh (3.745 MW médios), volume 14,6% inferior ao comercializado no mesmo período do ano passado.

Eneva (ENEV3)

A empresa de energia Eneva anunciou ontem (4) o melhor lucro líquido da história para o terceiro trimestre, com ganhos impulsionados pelo maior despacho de suas usinas termelétricas, enquanto o país lida com a crise hidrelétrica.

O montante atingiu R$ 362,6 milhões, alta de 553% ante o mesmo período do ano passado. E o indicador de geração de caixa (Ebitda ajustado) quase dobrou para R$ 573 milhões no terceiro trimestre.

“Geramos energia na base durante todo o trimestre para garantir estabilidade e segurança ao sistema, por meio de uma energia firme que ajudou a assegurar o suprimento para o país. Esse cenário trouxe um resultado muito forte para a nossa companhia no terceiro trimestre”, disse o diretor financeiro da Eneva, Marcelo Habibe.

Segundo ele, o cenário é favorável, “pois vamos ter a entrada em operação do nosso projeto integrado Azulão-Jaguatirica que vai contribuir para o quarto trimestre”. A Eneva informou que todas as usinas permaneceram despachadas no terceiro trimestre com despacho médio de 98%, versus 24% no mesmo período do ano passado. A produção de gás aumentou 260% em resposta ao maior despacho das usinas a gás.

Tegma (TGMA3)

A empresa de logística Tegma divulgou na noite de ontem após o fechamento dos mercados, seus resultados operacionais do terceiro trimestre de 2021. No período, a receita líquida da companhia caiu em 20%, em comparação com o mesmo trimestre de 2020, para R$ 231,4 milhões. A companhia justifica impactos sofridos pelo setor automotivo em decorrência de escassez de peças e componentes.

O Ebitda ajustado também sofreu queda.Divulgado em R$ 37,5 milhões, representando margem de 16,4%, o valor é 2,9 p.p inferior ao registrado no mesmo período de 2020. Já o lucro líquido da empresa foi de R$ 34,2 milhões, 14,2% superior ao do ano passado.

A Tegma também comunicou pagamento de R$ 14 milhões em dividendos e R$ 14 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas da empresa. Os valores representam R$ 0,19 e R$ 0,06 por ação, respectivamente. Terão direito aos recebimentos todos os titulares de ações da companhia no dia 9 de novembro. Os pagamentos serão efetuados no dia 19 deste mês.

Alper (APER3)

A Alper anunciou ontem assinatura do contrato aquisição de 100% do capital social da Jorge Daniel Administradora e Corretora de Seguros (JDM), especializada no segmento agrícola e com sede no Rio Grande do Sul. A empresa adquirida tem estimativa de movimentar R$ 105 milhões em 2021. A compra tem valor estimado em R$ 54 milhões, sendo R$ 20 milhões pagos à vista e o restante entre 2023 e 2026, em parcelas anuais.

Bradesco (BBDC4)

O Bradesco divulgou ontem (5) lucro do terceiro trimestre pouco acima das expectativas dos analistas e elevou as projeções para crédito e receita de tarifas para 2021. O lucro recorrente, que exclui itens extraordinários, cresceu 34,5% sobre um ano antes, para R$ 6,767 bilhões, acima da estimativa média de R$ 6,469 bilhões compilada pela Refinitiv.

O Bradesco previu que a carteira de crédito do banco crescerá entre 14,5% e 16,5% neste ano, ante projeção anterior de 9% a 13%. As receitas de tarifas devem crescer de 2% a 6%, disse o banco, ante projeção anterior de alta de 1% a 5%. Leia a notícia completa aqui.

Mercado Livre (MELI34)

O Mercado Livre teve desaceleração das receitas no terceiro trimestre, uma vez que a gradual reabertura do comércio físico na América Latina tem imposto maior concorrência com as empresas digitais, que dispararam durante a pandemia.

O maior portal de comércio eletrônico da região reportou que o volume de vendas (GMV) chegou a US$ 7,3 bilhões de julho a setembro, avanço de 29,7% em moeda constante sobre mesma etapa de 2020. Leia a notícia completa aqui.

Minerva (BEEF3)

A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, reportou lucro líquido de R$ 72,4 milhões para o terceiro trimestre, alta de 24% ante igual período do ano passado, puxada pelo desempenho das operações da Athena Foods, que compensaram a recente suspensão de exportações da proteína do Brasil para a China, disse a companhia ontem.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) alcançou R$ 648,1 milhões, avanço de 16,9% no ano a ano e um recorde para o período. Na mesma linha, a receita líquida do terceiro trimestre também foi recorde para o período ao somar R$ 7,36 bilhões, avanço de 43,4% impulsionado pelo faturamento do mercado externo. Leia a notícia completa aqui.

JHSF (JHSF3)

A empresa de imóveis de alto padrão para renda JHSF teve aumento do lucro no terceiro trimestre, com impulso de negócios de shopping centers, hotéis e restaurantes, diante do alívio nas restrições sociais com a desaceleração da pandemia.

A companhia anunciou ontem que o lucro líquido de julho a setembro subiu 23,1% sobre o mesmo período de 2020, para R$ 213,8 milhões. A receita líquida da JHSF somou R$ 476,3 milhões, alta de 35% no comparativo anual. As vendas em lojas de shoppings da companhia subiram 74%. A empresa também tem atividades em incorporação e um aeroporto executivo. Leia a notícia completa aqui.

(com Reuters)

Compartilhe esta publicação: