Banco Central britânico prevê inflação três vezes maior que a meta e anuncia aumento de juros

A instituição foi o primeiro grande BC do mundo a elevar os custos dos empréstimos desde o começo da pandemia de Covid-19.

Da Reuters
Compartilhe esta publicação:
Henry Nicholls/Reuters
Henry Nicholls/Reuters

O cômite do Banco Central britânico aumentou a taxa básica de 0,1% para 0,25%

Acessibilidade


O banco central britânico se tornou hoje (16) o primeiro grande BC do mundo a elevar os custos dos empréstimos desde o início da pandemia de coronavírus, no ano passado, que afetou a economia global, dizendo que a inflação deve chegar a 6% em abril, três vezes sua meta.

A maioria dos economistas consultados pela Reuters esperava que o Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) mantivesse o juro em 0,1%, devido a um novo aumento nos casos de coronavírus.

VEJA TAMBÉM: BCE reduz política de estímulos monetários adotada durante a pandemia

A libra esterlina saltou em relação ao dólar norte-americano e atingiu seu maior patamar desde 30 de novembro, enquanto os rendimentos dos gilts de dois anos, sensíveis à taxa de juros, subiam mais de 7 pontos-base no dia, para 0,56%, maior nível desde 1º de dezembro.

“O Comitê continua a julgar que há riscos bilaterais em torno das perspectivas de inflação no médio prazo, mas que algum aperto modesto da política monetária ao longo do período de projeção provavelmente será necessário para cumprir a meta de inflação de 2% de forma sustentável”, disse o BoE.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O comitê de nove membros votou por oito a um pela alta da taxa básica de 0,1% para 0,25%, com Silvana Tenreyro, integrante externa, como a única dissidente do movimento.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O banco central britânico cortou suas projeções de crescimento para dezembro e para o primeiro trimestre de 2022 devido à disseminação da Ômicron.

Compartilhe esta publicação: