China audita Evergrande e presidente do conselho, o bilionário Hui Ka Yan

Autoridades do país estão determinando o valor dos ativos da incorporadora e verificando e se existe algum outro escondido.

Da Reuters
Compartilhe esta publicação:
South China Morning Post/ Getty Images
South China Morning Post/ Getty Images

Hui Ka Yan é fundador e presidente do conselho de administração da Evergrande

Acessibilidade


Autoridades da China estão fiscalizando os ativos da Evergrande Group e de seu presidente do conselho de administração, Hui Ka Yan, e não esperam uma venda forçada agora de ativos da incorporadora mais endividada do mundo, afirmaram duas fontes com conhecimento direto do assunto.

A auditoria mostra como Pequim está tomando controle sobre a situação da Evergrande depois que a gigante imobiliária descumpriu prazos de pagamento de dois títulos internacionais, disparando uma reestruturação dos mais de US$ 300 bilhões em dívidas do grupo.

VEJA TAMBÉM: Ações da Evergrande renovam mínima recorde após incorporadora não pagar títulos de dívida

A determinação do valor dos ativos e se existe algum escondido também vai permitir às autoridades decidir se um programa de recuperação financeira envolvendo instituições do governo será necessário, afirmaram as fontes.

Pequim tem repetidamente garantido aos investidores que a situação está sob controle, mas ainda não indicou como planeja estabilizar a companhia, que na semana passada foi colocada em situação de “default restrito” pela agência de classificação de risco Fitch depois que não pagou US$ 82,5 milhões em cupons de dívidas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Representantes de entidades estatais que estão atualmente no comando de um recém-criado comitê de gestão de risco na Evergrande e as descobertas anteriores das autoridades mostram que a crise de liquidez da imobiliária é mais complicada do que o esperado, afirmou uma das fontes.

“Atualmente, não há pressa de lançar qualquer plano de venda de ativos”, disse uma fonte próxima das autoridades, se referindo à possíveis desinvestimentos que vão desde a unidade de gestão de imóveis a um braço de produção de veículos elétricos.

Representantes da Evergrande não comentaram o assunto. Contatos com Hui e com o governo da província de Guangdong não puderam ser realizados.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Hui, 63, fundador da Evergrande e que atualmente detém cerca de 60% de participação na empresa, tem liberado recursos com a venda de ativos de luxo que incluem três casas de alto padrão, além de obras de arte.

A Forbes estimou em setembro que Hui recebeu US$ 8 bilhões de dividendos em dinheiro desde que a Evergrande estreou no mercado de ações em 2009, embora o valor atual de sua fortuna atual não seja conhecido.

Compartilhe esta publicação: