Didi cede à pressão regulatória para fechar capital nos EUA

Decisão da empresa ocorre cinco meses após um IPO de US$ 4,4 bilhões no país.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Tingshu Wang/Reuters
Tingshu Wang/Reuters

Decisão da Didi ocorre cinco meses após um IPO de US$ 4,4 bilhões no país

Acessibilidade


Apenas cinco meses após sua estreia, a gigante Didi informou que planeja se retirar da bolsa de valores de Nova York e buscar uma listagem em Hong Kong, em uma surpreendente reviravolta que cede à pressão dos reguladores chineses irritados com seu IPO nos Estados Unidos.

As ações da empresa caíram cerca de 15% recentemente, depois de oscilar no pré-mercado, uma vez que os investidores inicialmente apostaram que a medida acalmaria a China e serviria como catalisador para um renascimento de suas perspectivas de negócios em casa.

LEIA TAMBÉM: Expansão de serviços da China perde força em novembro

“Após uma pesquisa cuidadosa, a empresa começará imediatamente a fechar o capital na bolsa de valores de Nova York e iniciar os preparativos para listar em Hong Kong”, disse a Didi em sua conta no Weibo, uma espécie de Twitter chinês, hoje (3).

A Didi não explicou as razões do plano, mas disse em um comunicado separado que organizaria uma votação dos acionistas em um momento apropriado e garantiria que suas ações listadas em Nova York seriam conversíveis em “ações livremente negociáveis” em outra bolsa de valores internacionalmente reconhecida.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Fontes disseram à Reuters no mês passado que os reguladores chineses pressionaram os principais executivos da Didi a elaborarem um plano de exclusão da Bolsa de Valores de Nova York devido a preocupações com a segurança de dados.

O conselho da empresa se reuniu anteontem (1) e aprovou os planos de fechamento de capital dos Estados Unidos e de listagem em Hong Kong, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

A Didi avançou com um IPO (oferta pública inicial) de US$ 4,4 bilhões nos Estados Unidos em junho, apesar de ter sido solicitada a colocá-la em espera, enquanto uma revisão de suas práticas de dados era conduzida. A CAC (Administração do Ciberespaço da China) ordenou então que as lojas de aplicativos removessem 25 dos aplicativos móveis de Didi e disse à empresa para parar de registrar novos usuários, citando a segurança nacional e o interesse público.

A Didi planeja prosseguir com uma listagem em Hong Kong em breve e não pretende ser privada, disseram fontes com conhecimento do assunto à Reuters.

A bolsa de Hong Kong não comenta sobre empresas individuais, disse um porta-voz. As ações na bolsa, no entanto, saltaram 4% na perspectiva de uma listagem de Didi.

A companhia fez sua estreia em Nova York em 30 de junho a US$ 14 por ADS (Ações Depositárias Americanas), que haviam caído 44% no fechamento de ontem (2), avaliando-a em US$ 37,6 bilhões. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: