Bilionário das criptomoedas diz que mercado atingirá dezenas de trilhões de dólares

Capitalização de mercado chegou a uma máxima de US$ 3 trilhões em novembro, de acordo com dados da CoinGecko.

Robert Olsen e Zinnia Lee
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Jihan Wu é cofundador da Bitmain, uma das maiores fornecedoras mundiais de plataformas de mineração de criptomoedas

Acessibilidade


As criptomoedas nasceram para ser voláteis, diz Jihan Wu, mas seu crescimento a longo prazo superará em muito as flutuações de preço. “Mesmo que 95% das moedas de hoje percam todo o seu valor e desapareçam, os 5% restantes crescerão enormemente”, diz ele.

O otimismo de Wu é fruto de sua experiência. Ele descobriu o bitcoin e reconheceu seu potencial há mais de uma década, quando viu ele sendo usado para comprar hardwares e serviços de TI em fóruns online como Bitcointalk.org. Mas, para sair de seu nicho de mercado e obter uma aceitação mais ampla, o bitcoin precisaria de muito mais infraestrutura para suportá-lo. Então, Wu começou a trabalhar em uma solução que desempenharia um papel vital no desenvolvimento do bitcoin.

LEIA TAMBÉM: Previsões de criptomoedas e blockchain para 2022

Em 2013, Wu se juntou à Micree Ketuan Zhan para lançar a Bitmain Technologies, uma fornecedora de hardwares especializados na mineração de bitcoins. As pessoas que possuem o equipamento ganham, ou minam, novos bitcoins ao disponibilizarem seu poder de processamento para a rede.

À medida que o preço do bitcoin subiu ao longo dos anos, as plataformas de mineração da Bitmain se tornaram um grande sucesso, transformando Wu e Zhan em bilionários. Em 2018, a Bitmain havia se tornado a maior fornecedora mundial de plataformas de mineração de criptomoedas do mundo, com uma participação de mercado de 75%, de acordo com a Frost & Sullivan.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Estande da Bitmain no 4º Digital China Summit em Fuzhou na China, em abril de 2021

A empresa com sede em Pequim estava se preparando para uma listagem pública multibilionária em Hong Kong – até que o bitcoin quebrou, perdendo 70% de seu valor no final do mesmo ano.

O IPO da Bitmain se tornou uma vítima da volatilidade do bitcoin e colocou uma grande pressão nas finanças da empresa. Os dois cofundadores foram rapidamente lançados em uma luta pela sobrevivência que mais tarde evoluiu para uma luta pelo controle da empresa.

Hoje, Wu encara as reviravoltas do bitcoin como marcos em sua jornada empresarial em direção à construção de um dos maiores impérios de criptomoedas do mundo. Desde então, a Bitmain voltou a ter lucratividade, de acordo com Wu, e continua a dominar o mercado global de plataformas de mineração a partir de sua sede em Pequim, apesar da recente repressão da China à mineração e ao comércio de criptomoedas.

Em resposta às novas restrições, a empresa interrompeu as remessas para seus clientes na China continental, embora os clientes estrangeiros não tenham sido afetados. A Bitmain também está construindo plataformas que usam menos energia para atender às preocupações dos reguladores, mas não elaborou quaisquer outras medidas que pretende adotar.

Wu se afastou da Bitmain no início do ano para se concentrar em seu papel como presidente de duas empresas subsidiárias, ambas sediadas em Singapura – Bitdeer Technologies, uma plataforma de mineração de criptomoedas que já anunciou planos de cotação na Nasdaq por uma avaliação de US$ 4 bilhões, e Matrixport, uma empresa de serviços financeiros avaliada em US$ 1 bilhão em sua última rodada de financiamento.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Gráfico mostra a performance do preço das bitcoins

O lançamento da Matrixport em fevereiro de 2019 foi outra demonstração do otimismo de longo prazo de Wu para a indústria de criptomoedas. O bitcoin ainda estava em baixa quando ele e seu colega cofundador John Ge Yuesheng estabeleceram sua empresa.

VEJA MAIS: Como funciona a mineração de bitcoins?

“Acreditamos que as criptos e a blockchain experimentarão um rápido crescimento no futuro, chegando a dezenas de trilhões de dólares,” disse Wu. “E muitos desses novos usuários permanecerão no mercado de criptomoedas para sempre, então precisarão de produtos avançados e sofisticados para gerenciar a riqueza que acumulam em criptoativos.”

A decisão de seguir em frente parece presente agora. Desde que a Matrixport foi lançada, a capitalização de mercado das criptomoedas chegou a uma máxima de US$ 3 trilhões em novembro, de acordo com dados da CoinGecko. E o tamanho do mercado global de usuários de criptomoedas mais do que dobrou para 221 milhões de pessoas na primeira metade do ano, de acordo com um relatório da Crypto.com.

As criptomoedas tiveram alta em 2021, sinalizando que os ativos digitais estão se tornando mais populares. El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a aceitar bitcoin como moeda legal e um número crescente de empresas, incluindo AMC, AT&T, Mastercard, Microsoft e PayPal, e agora estão aceitando algumas criptomoedas como pagamentos.

Estimulada pela crescente maré do mercado de criptomoedas, a Matrixport levantou US$ 100 milhões durante uma rodada de financiamento da Série C anunciada em agosto, liderada por parceiros da DST Global de Yuri Milner, C Ventures de Adrian Cheng e K3 Ventures de Kuok Meng Xiong, juntamente com outros participantes, incluindo Qiming Venture Partners e patrocinadores existentes, como IDG Capital e Dragonfly Capital.

O histórico de Wu em construir várias empresas de bilhões de dólares é quase sem paralelo, diz Adam Goldberg, cofundador da Standard Crypto, um fundo de risco com sede em São Francisco. Goldberg, que anteriormente trabalhava na Lightspeed Venture Partners, tornou-se um investidor na Bitmain por volta de 2017 e, mais tarde, juntou-se ao conselho da Matrixport.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A Matrixport diz que quer dobrar o número de usuários de sua plataforma em 2022

O nome da Matrixport alude ao seu objetivo de se tornar um portal para investidores entrarem em um novo reino digital, muito parecido com o filme favorito de Wu, “Matrix”. A estratégia da empresa envolve a oferta de produtos de investimento como os encontrados em Wall Street, mas feitos sob medida para investidores de criptomoedas.

Os serviços da Matrixport incluem custódia, negociação, empréstimos e produtos estruturados. Wu disse que eles foram os primeiros a oferecer produtos de “dual investment” em criptomoedas, que são investimentos que oferecem rendimentos garantidos com base em uma de duas criptomoedas possíveis, dependendo dos preços de mercado na época. A empresa afirma que agora possui US$ 10 bilhões em ativos sob gestão e custódia e mais de US$ 5 bilhões em volumes médios mensais de negociação.

O outro empreendimento de Wu, Bitdeer, é uma plataforma de mineração que atualmente opera cinco pools nos EUA e na Noruega, com mais de 100 mil unidades de mineração sob sua gestão.

Bitdeer e Matrixport foram desmembrados da Bitmain como parte de um acordo firmado entre Wu e Zhan depois que os dois cofundadores entraram em confronto. Um acordo de sigilo impede Wu de falar em detalhes sobre os termos do acordo, mas ele foi capaz de discutir as circunstâncias que o levaram a isso com a Forbes Ásia pela primeira vez.

“Foi um período difícil para o nosso negócio e para mim. E, claro, as pressões de administrar uma complexa empresa de manufatura aumentaram e, por fim, levaram a uma desavença entre nós, os cofundadores”, lembra Wu.

A Bitmain passou rapidamente de um empreendimento que gerou US$ 2,5 bilhões em receita em 2017 e um lucro de US$ 742 milhões no primeiro semestre de 2018, de acordo com seu prospecto arquivado na bolsa de valores de Hong Kong, a uma companhia que perdeu dinheiro e demitiu diversos funcionários.

A empresa havia se aventurado em uma série de áreas diferentes durante o período de expansão – IA, construção de pools de mineração, uma exchange de criptomoedas, capital de risco, etc – mas muitas dessas iniciativas não geraram lucro durante o período de baixa de 2018, que veio a ser conhecido como “inverno das criptomoedas”, marcado por vendas profundas seguidas por um longo período de negociação estável.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Edifícios que mantêm unidades de mineração de bitcoin em uma instalação que era operada pela Bitmain em Ordos, na Mongólia Interior, na China

Os dois cofundadores da Bitmain, que já haviam trabalhado juntos como co-CEOs, discordaram sobre sua direção estratégica e uma luta pelo poder se seguiu. Por vezes, a disputa se tornou pública, até que um acordo foi finalmente negociado no final do ano passado, que viu Wu renunciar ao cargo de presidente e CEO da Bitmain, embora ele ainda mantenha uma participação na empresa. Zhan agora está administrando a operação de manufatura da Bitmain e outra piscina de mineração chamada Antpool.

“O acordo de liquidação marca o fim das dificuldades. Bitmain não faliu. Em vez disso, está indo muito bem agora”, disse Wu. “Espera-se que o lucro líquido acumulado da Bitmain alcance entre US$ 2 bilhões e US$ 4 bilhões. É uma empresa que gera lucros muito altos.”

O caminho de Wu para o empreendedorismo em criptomoedas começou com a descoberta do bitcoin quando trabalhava como analista de investimentos em Pequim. Tendo estudado economia e psicologia na Universidade de Pequim, ele imediatamente ficou absorvido pela ideia de Satoshi Nakamoto de uma moeda digital descentralizada.

Wu disse que imediatamente abandonou os estudos de contabilidade para se concentrar em aprender e depois investir em bitcoin. Depois de comprar centenas de moedas em 2011, Wu investiu na ASICMiner, uma empresa de mineração de bitcoins fundada em 2012 por Jiang Xinyu, ou Friedcat, como era conhecido em vários fóruns online. Os lucros que Wu obteve com esse negócio foram combinados com capital de um grupo de outros investidores para iniciar a Bitmain em parceria com Zhan em 2013.

Zhan era um designer de chips que administrava seu próprio negócio de fazer decodificadores para televisores antes de se associar a Wu. Os dois estabeleceram a Bitmain como um dos primeiros fabricantes de chips especializados usados ​​para minerar criptomoedas conhecidas como circuitos integrados de aplicativos específicos, ou ASICs.

O objetivo inicial de Wu era ser um investidor de venture capital por trás do Bitmain, mas depois de comprometer seu capital, ele logo percebeu que as pesadas demandas de administrar uma startup de tecnologia exigiam que ele se envolvesse na gestão da empresa.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

As unidades de mineração da Bitmain ficam em uma plataforma dentro de uma fazenda de mineração no Japão

Em menos de quatro anos, a Bitmain se tornou a empresa mais influente na economia do bitcoin. A integração vertical da Bitmain se estendeu desde o projeto dos chips usados ​​em suas plataformas de mineração até a montagem do hardware e sua venda para clientes em todo o mundo. Ao mesmo tempo, a Bitmain operava pools de mineração sob contrato com clientes, além de possuir vários de seus próprios pools. Os pools da Bitmain contribuíram com cerca de 37% do poder de processamento agregado da rede bitcoin em 2018.

Apesar da incerteza regulatória que caracteriza as criptomoedas em muitos dos maiores mercados do mundo, Wu acredita que a indústria continuará a desenvolver inovações exclusivas porque não está sujeita às restrições do sistema financeiro tradicional.

“Inovações como DeFi [finanças descentralizadas] são de tirar o fôlego”, diz ele.

“Tecnologias como criptomoedas e blockchain criaram um novo mundo, permitindo que os empreendedores de fintech obtenham grandes conquistas. Eventualmente, as instituições financeiras tradicionais e reguladores irão adotar a tecnologia blockchain.”

Compartilhe esta publicação: