IPOs em 2022: Seis empresas já desistiram de entrar na Bolsa

Das 29 empresas que haviam registrado pedido de abertura de capital em 2021, restam apenas 23.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

A produtora de medicamentos genéricos e suplementos Althaia buscava utilizar recursos da venda de ações para a construção de uma nova fábrica

Acessibilidade


O primeiro mês de 2022 ainda não chegou ao fim e seis empresas já desistiram de realizar uma oferta inicial de ações (IPO) na Bolsa de Valores brasileira.

Até a noite de terça-feira (18), a lista de desistentes da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) incluía Ammo Varejo, Dori Alimentos, Environmental ESG, Monte Rodovias, Vero Internet e Claranet.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“A maior parte das desistências se deve ao aumento dos juros no país, o que torna o mercado de renda variável menos atrativo em relação ao de renda fixa. Além disso, temos um cenário de incerteza global, com o aumento dos diagnósticos de Covid-19 e altas nas taxas de juros no mundo. Então, os casos que não são super sólidos acabam saindo de cena, postergando e até cancelando a abertura na B3”, avalia Felipe Vella, analista de renda variável da Ativa Investimentos.

A onda de empresas que decidiram abandonar os planos de abertura de capital ganhou força no 2º semestre de 2021, quando a Bolsa começou a registrar uma performance mais fraca. No acumulado de 12 meses, cerca de 109 ofertas primárias e secundárias de ações não foram efetivadas – ainda assim, o mercado brasileiro encerrou o ano com número recorde de IPOs concluídos: 45.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As eleições deste ano também desestimulam as empresas que querem entrar na B3, já que causam grande instabilidade nos papéis e na economia em geral.

Por outro lado, na visão Vella, para os investidores é interessante saber quais empresas têm uma base sólida e continuam na tentativa de negociar os seus ativos na Bolsa.

“Na verdade, essa movimentação é positiva para o investidor. Os casos que não eram fortes, sólidos, que apenas buscavam uma maneira de levantar capital acabaram saindo e o investidor pode focar em com propósito de longo prazo”, diz o especialista.

Das 29 empresas que já haviam protocolado pedidos de registro em 2021, restam 23.

Incerteza afeta todo o mercado

O movimento não é ligado a nenhum setor específico. A Ammo Varejo, por exemplo, comercializa produtos de cama, mesa e banho em suas 221 lojas e é dona das marcas MMartan e Artex. A Dori Alimentos fabrica doces, balas e snacks, e é conhecida por produtos como o chocolate Disqueti e as balas de goma Gomets.

A Environmental ESG, por sua vez, é subsidiária da Ambipar (AMBP3) e atua na gestão de resíduos. Do setor de infraestrutura, a Monte Rodovias é uma holding formada por três concessionárias de rodovias no Nordeste brasileiro.

A Vero Internet e a Claranet são voltadas para o meio digital. A primeira nasceu em 2019 da união de oito empresas do interior de Minas Gerais e é controlada pela gestora de private equity Vinci Partners. Já a segunda é provedora de serviços gerenciados de Cibersegurança e Cloud e foi fundada no Reino Unido

Compartilhe esta publicação: