Queda nas ações de tecnologia dos EUA: é hora de comprar

O índice Nasdaq caiu 15% em relação ao seu pico de novembro, derrubando os papéis das gigantes de tech.

Amy Feldman
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

Aurora Innovation, pioneira em tecnologia de direção autônoma, viu suas ações recuarem mais de 70%

Acessibilidade


Os ganhos importam. Se isso não estava claro antes das grandes quedas desta semana e da oscilação das ações de tecnologia, deveria estar agora. O índice Nasdaq caiu 15% desde o pico de novembro, derrubando as ações de gigantes como Tesla e Apple, que registraram quedas de dois dígitos. Algumas das maiores perdas superaram 50%, enquanto os investidores aguardavam a declaração de quarta-feira (26) do Federal Reserve, banco central norte-americano, sobre o aumento das taxas de juros.

Dizer que os preços chegaram às mínimas geralmente é um jogo de tolos, especialmente em um mercado tão volátil que viu ações serem negociadas a preço de ouro por tanto tempo. Mas a temporada de balanços das empresas de tecnologia – que teve o anúncio dos resultados da Microsoft na terça-feira (25), da Tesla, na quarta (26), e da Apple, na sexta (28), deve trazer mais clareza para os investidores.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Acreditamos que a liquidação tirou a especulação do mercado, mas também fez algumas ações serem vendidas abaixo do preço”, diz Dan Ives, analista de ações da Wedbush Securities. “É por isso que temos a maior temporada de ganhos de tecnologia em 10 anos.”

Perdas enormes

Fizemos um levantamento a partir de dados da FactSetcom das ações de empresas de tecnologia norte-americanas com valor de mercado de pelo menos US$ 5 bilhões que mais sofreram com a desilusão dos investidores.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No topo da lista: a pioneira em tecnologia de direção autônoma Aurora Innovation, que abriu capital através de uma fusão Spac em novembro passado e viu suas ações caírem mais de 70% em relação ao seu pico. Também sofreram o impacto: a Asana, empresa de software de gerenciamento de trabalho criada por Dustin Moskovitz, cofundador do Facebook, caiu mais de 60%. A Block, anteriormente conhecida como Square, caiu quase 50% por causa de uma desaceleração das receitas e volatilidade do mercado enquanto implementava a estratégia de criptomoedas do fundador Jack Dorsey. A corretora online Robinhood, que já liderou a onda dos fast traders, ações de memes e criptomoedas, viu suas ações caírem mais de 50%, puxadas pela queda da receita no segundo trimestre.

À medida que o mercado se recuperava na última quarta-feira (26), com o Nasdaq avançando 1% no final da tarde, várias das empresas que registraram perdas começaram a se recuperar. Block e Asana fecharam em alta, assim como a Microsoft.. Embora a era das ações de crescimento claramente não tenha acabado, como o analista da Jefferies Brent Thill argumenta em um relatório recente, os papéis de empresas de software com múltiplos mais altos, como Snowflake e Datadog, “podem estar em maior risco de uma queda contínua”.

Em última análise, argumenta Ives, os investidores distinguirão as ações cujas empresas merecem avaliações mais altas (como Microsoft e Apple) e aquelas que não merecem (nomes ligados ao movimento do trabalho remoto, como Zoom e Netflix, por exemplo, que dispararam durante a pandemia). “Vai ser um mês turbulento”, diz ele. “Mas acreditamos que estamos começando a entrar no estágio de arrefecimento de algumas dessas ações que foram vendidas massivamente sem fundamentos.”

Compartilhe esta publicação: