Sex and the City, recall e reabertura: entenda por que ação da Peloton caiu abaixo do preço do IPO

A empresa perdeu US$ 2,5 bilhões em valor de mercado após uma série de polêmicas e falhas.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Diversas celebridades e até mesmo o presidente Joe Biden foram flagradas usando os equipamentos da Peloton

Acessibilidade


A Peloton, empresa de equipamentos e softwares voltados para exercícios em casa, realizou seu IPO na Nasdaq no final de 2019 e se tornou a queridinha dos investidores durante a pandemia, com ações que chegaram a subir aproximadamente 500%.

Em 2020, no período de maior alta dos papéis, os valores passaram de US$ 29 para US$ 162,70 por papel. Esse impulso teve como pano de fundo o fechamento das academias nos piores momentos da pandemia do coronavírus.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Como não era possível se exercitar fora de casa, os norte-americanos compraram as esteiras e bicicletas da marca, que custam em torno de US$ 2,5 mil (R$ 13,5 mil) cada, além de adquirir o plano de exercícios oferecido pelo aplicativo da companhia.

Diversas celebridades e até mesmo o presidente Joe Biden foram flagradas usando os equipamentos. Na época, os estoques acabaram e o tempo de espera pelos produtos chegou a dez semanas. As ações dispararam e brilharam os olhos dos investidores. Mas a felicidade durou pouco.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Logo no início de 2021, os papéis da Peloton começaram a mostrar uma tendência negativa – o avanço da campanha de vacinação nos EUA e a possível reabertura do comércio, incluindo as academias, desencadearam um movimento de baixa.

O começo das quedas

As ações resistiram por algum tempo, já que muitos clientes ainda preferiam se exercitar em casa. O quadro começou a mudar quando relatos de acidentes com os equipamentos vieram à tona. A esteira da marca causou a morte de uma criança em março do ano passado, além de mais de 40 acidentes.

Em maio, a Peloton anunciou o recall de dois modelos de esteiras – uma decisão que, na visão de analistas, foi tomada tarde demais. Os papéis imediatamente começaram a cair e encerraram o mês com perda de 45% em comparação com a máxima registrada no final de 2020.

Em junho, passado o auge da crise, as ações voltaram a subir junto com a confiança dos investidores na companhia. Um mês depois, a Peloton divulgou seu balanço financeiro, que informou receita muito abaixo do esperado por analistas, por causa do recall e da má fama que o seguiu.

Em quatro meses, o número de usuários do aplicativo da Peloton caíram em 42%, enquanto as ações seguiam em queda.

Leia Mais: 6 aparelhos de ginástica luxuosos para treinar em casa

Sex And The City

A série norte-americana Sex And The City, que conta a história de vida de quatro amigas que moram em Nova York, lançada em 1998, teve enorme sucesso até o seu final, em 2004.

Em 2021, a produção da série decidiu lançar uma nova temporada, “And Just Like That…”. Os episódios foram alvo de críticas e causaram polêmica entre os fãs e espectadores. Uma delas envolve diretamente a Peloton.

Na trama, o personagem do ator Chris Noth, que é par romântico da protagonista, morre enquanto pedala em uma bicicleta da companhia. As ações, que já sofriam com fortes quedas no ano, acumularam 70% de desvalorização depois que o episódio foi ao ar.

O diretor de marketing da Peloton afirmou que nunca assinou um contrato formal com a HBO, produtora da série, autorizando o uso do equipamento na cena. Mesmo assim, as vendas caíram, e a crise, que já era grande, continuou a crescer.

Para tentar reverter a situação, a empresa decidiu contratar Noth como garoto-propaganda. No anúncio, que foi ar três dias após a estreia da série, o ator aparece dizendo que a vida é curta demais para ficar sem pedalar.

O plano, porém, falhou. Menos de uma semana depois, Noth foi acusado de assédio sexual por duas mulheres. Com a notícia, a Peloton tirou imediatamente a publicidade de circulação e afirmou que não tinha conhecimento dos casos.

A empresa pode se recuperar?

De acordo com a CNBC, a empresa perdeu US$ 2,5 bilhões (R$ 135,6 bilhões) em valor de mercado com todos esses acontecimentos e tem sofrido para tentar recuperar e atrair clientes. Na última quinta-feira (20), as ações da companhia caíram 23,9% e ficaram abaixo do valor de precificação do IPO, atingindo US$ 24,22 por papel.

O jornal norte-americano divulgou na data que a Peloton estaria paralisando a sua produção de equipamentos por tempo indeterminado, mas o CEO da companhia, John Foley, negou as informações na sexta-feira (21). Ele também afirmou que a receita da empresa deve crescer no 2º trimestre.

Os investidores agora aguardam a divulgação do balanço financeiro do 4º trimestre da Peloton, programada para fevereiro, e esperam que a maré de más notícias tenha chegado ao fim.

Compartilhe esta publicação: