Alpargatas vende Osklen sem restrições do Cade

A empresa de calçados Dass Nordeste comprou a participação da Alpargatas, equivalente a 60% do capital social da Osklen.

Amanda Péchy
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/Osklen
Divulgação/Osklen

Alpargatas fecha em alta após uma semana bem-sucedida com venda da Osklen e follow-on.

Acessibilidade


A Alpargatas (ALPA4) comunicou ao mercado que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a venda de sua participação na Osklen sem nenhum impeditivo. A empresa de calçados Dass Nordeste está do outro lado da transação.

Em nota publicada ontem (25), a dona de marcas como Havaianas informou que a alienação total de sua participação na Osklen, correspondente a 60% do capital social da empresa, foi “aprovada sem qualquer restrição”. A venda será concluída no dia 11 de março.

Nesta semana, a Alpargatas também realizou sua oferta subsequente (follow-on) na B3, em distribuição pública primária de 37,5 milhões ações ordinárias e de 57,5 milhões de ações preferenciais.

A operação teve coordenação do Itaú BBA S.A. (coordenador líder), juntamente com Bank of America, J.P. Morgan S.A., Bradesco BBI S.A. e Citi (coordenadores da oferta). Foi o sétimo follow-on realizado na B3 neste ano.

“Esse momento é muito importante para a Alpargatas. É a primeira vez em 109 anos que realizamos uma oferta subsequente de ações. Somos a empresa mais antiga listada na bolsa, completamos 115 anos de existência em 2022 e estamos mais fortes do que nunca, gerindo marcas desejáveis e hiperconectadas com a sociedade. O sucesso do nosso processo de follow-on mostra que nossa visão de ser uma powerhouse de marcas globais, digitais, inovadoras e com um olhar atento para sustentabilidade e nossa estratégia de criação de valor nos colocam no caminho correto de crescimento”, afirma Beto Funari, CEO da Alpargatas

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Alpargatas fixou o preço por ação em seu follow-on a R$ 26,3 cada papel, levantando R$ 2,49 bilhões, segundo fato relevante divulgado na terça-feira (22). Suas ações fecharam em alta ontem, a R$ 27,73, após uma semana bem-sucedida.

Compartilhe esta publicação: