Indústria de criptomoedas sofre críticas por não aderir a sanções do Ocidente à Rússia

Autoridades europeias e parlamentares dos EUA preocupam-se com uso de ativos digitais para contornar embargo; comunidade cripto fica na defensiva.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Anuruk Charoenamornrat/EyeEm/Getty Images
Anuruk Charoenamornrat/EyeEm/Getty Images

Indústria de criptomoedas foi pega de surpresa quando os EUA e seus aliados impuseram sanções contra bancos, elites e empresas estatais da Rússia

Acessibilidade


Os entusiastas de criptomoedas estão na defensiva em meio a advertências de congressistas dos Estados Unidos e da Europa de que empresas de ativos digitais não são capazes de cumprir as sanções ocidentais impostas à Rússia, após a invasão da Ucrânia pelo país.

Ao contrário de outras empresas financeiras, as bolsas de criptomoedas rejeitaram pedidos para banir todos os usuários russos, argumentando que isso vai contra os valores libertários do setor.

Isso elevou a preocupação de autoridades europeias e parlamentares dos EUA com a possibilidade de que ativos digitais poderiam ser usados ​​para contornar as sanções. Os regimes de compliance em vigor nas principais bolsas, como Coinbase e Binance, foram questionados.

Leia mais: Governo ucraniano cancela distribuição de tokens a doadores de criptomoedas

Após as críticas, a indústria de criptomoedas luta para recuperar o controle da narrativa. A comunidade dos ativos digitais foi, em grande parte, pega de surpresa quando os EUA e seus aliados impuseram sanções abrangentes contra bancos, elites e empresas estatais da Rússia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na segunda-feira (7), a Coinbase publicou um longo post em que detalhou seus controles e disse que havia bloqueado mais de 25.000 endereços relacionados a indivíduos ou entidades russas supostamente envolvidas em atividades ilegais.

A FTX US, uma bolsa de ativos digitais com sede na cidade norte-americana de Chicago, disse que opera várias licenças regulamentadas e continua a “implementar e cumprir rigorosamente” todas as sanções.

“Na maioria das vezes, a maioria dessas empresas já possui sistemas muito robustos e é muito fácil para elas cumprir as sanções, como qualquer outra instituição financeira”, disse Kristin Smith, diretora executiva da Blockchain Association.

Desde o início da guerra, os ativos têm sofrido perdas.

Risco “existencial” da indústria de criptomoedas

Desde seu surgimento, a comunidade de criptomoedas difundiu os ativos digitais como veículos para transações anônimas. Uma série de ações federais de fiscalização por fraude, lavagem de dinheiro e ofertas de moedas não registradas apenas reforçou a percepção de que as empresas de criptomoedas são propensas a desrespeitar a lei.

Para muitas bolsas, o risco de não estar em conformidade com as regras é “existencial”, disse Charles Delingpole, presidente-executivo da ComplyAdvantage, uma empresa de tecnologia contra lavagem de dinheiro que trabalha com várias companhias proeminentes do setor, incluindo Binance e Gemini.

“Não apenas em termos de multa (e) remoção do acesso à conversão de dólares”, disse ele. “Para quem está lavando dinheiro, que é o outro lado disso, vem ocorrendo uma enorme reação negativa do público às empresas que facilitam fluxos ilegais de dinheiro”.

Leia mais: Doações de Bitcoin ao Exército Ucraniano ultrapassam R$ 20 milhões

Compartilhe esta publicação: