Inflação na Rússia vai acima de 15%, para máxima desde setembro de 2015

O rublo enfraquecido está fazendo preços dispararem em meio a sanções sem precedentes de países como Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Alemanha.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Maxim Shemetiv/Reuters
Maxim Shemetiv/Reuters

O banco central, que tem como meta inflação anual da Rússia de 4%, manteve sua taxa básica em 20% em março

Acessibilidade


A inflação anual na Rússia acelerou para 15,66% até 25 de março, disse hoje (30) o Ministério da Economia do país. É a maior taxa desde setembro de 2015 e e está dois pontos percentuais acima da semana anterior.

O rublo enfraquecido está fazendo preços dispararem em meio a sanções sem precedentes de países como Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Alemanha.

A inflação na Rússia vinha acelerando acentuadamente nas últimas semanas, com a queda do rublo a mínimas históricas impulsionando a demanda por uma ampla gama de bens, de alimentos básicos a carros, com expectativas de que seus preços aumentem ainda mais.

Em fevereiro, a inflação anual na Rússia estava em 9,15%.

A inflação semanal na Rússia desacelerou para 1,16% na semana até 25 de março, em relação a 1,93% na semana anterior. Isso levou o aumento acumulado nos preços ao consumidor neste ano a 8,91%, segundo dados do serviço de estatísticas Rosstat publicados hoje (30).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na semana até 25 de março, os preços de quase tudo – de alimentos para bebês a produtos farmacêuticos – aumentaram mais, mas em um ritmo mais lento do que nas semanas anteriores.

O banco central russo, que tem como meta inflação anual de 4%, manteve sua taxa básica em 20% em março e alertou para um salto iminente da inflação e uma contração econômica.

Compartilhe esta publicação: