Rússia propõe nacionalizar fábricas estrangeiras que fecharam operações

Empresas como Toyota, Nike e IKEA anunciaram o fechamento temporário de lojas no país.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Max Shmakov/EyeEm/GettyImages
Max Shmakov/EyeEm/GettyImages

Empresas como Toyota, Nike e IKEA anunciaram o fechamento temporário de lojas e fábricas no país

Acessibilidade


Um membro sênior do partido governista da Rússia propôs a nacionalização de fábricas de propriedade estrangeira que encerraram as operações no país devido ao que o Kremlin chama de operação militar especial na Ucrânia.

Várias empresas estrangeiras, incluindo Toyota, Nike e varejista de artigos para o lar IKEA, anunciaram o fechamento temporário de lojas e fábricas na Rússia para pressionar o Kremlin a encerrar sua invasão da vizinha Ucrânia.

LEIA TAMBÉM: Ações da China fecham em baixa com crise na Ucrânia e temores sobre inflação

Em um comunicado publicado na noite de ontem (8) no site do Rússia Unida, o secretário do conselho geral do partido governista, Andrei Turchak, disse que o fechamento das operações é uma “guerra” contra os cidadãos da Rússia.

O comunicado mencionou as empresas de alimentos privadas finlandesas Fazer, Valio e Paulig como as mais recentes a anunciarem fechamentos na Rússia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Rússia Unida propõe a nacionalização dos locais de produção das empresas que anunciam sua saída e o fechamento da produção na Rússia durante a operação especial na Ucrânia”, disse Turchak.

“Esta é uma medida extrema, mas não toleraremos ser apunhalados pelas costas e protegeremos nosso povo. Esta é uma guerra real, não contra a Rússia como um todo, mas contra nossos cidadãos”, afirmou.

“Tomaremos duras medidas de retaliação, agindo de acordo com as leis da guerra”, completou Turchak.

O presidente-executivo da Paulig disse à Reuters em um e-mail que isso não mudaria seus planos de se retirar da Rússia. Fazer e Valio não quiseram comentar quando contatados pela Reuters.

Compartilhe esta publicação: