Europa deveria usar política fiscal, e não monetária, para lidar com guerra na Ucrânia, diz FMI

Segundo órgão, o maior risco é a Rússia parar repentinamente de fornecer petróleo e gás.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

O FMI acredita que o maior risco é a Rússia parar de fornecer petróleo e gás para a Europa

Acessibilidade


Os governos europeus deveriam lidar com as consequências econômicas da guerra na Ucrânia por meio da política fiscal, para permitir que a política monetária se normalize diante da inflação elevada, disse o FMI (Fundo Monetário Internacional) hoje (22).

Em sua perspectiva econômica regional para a Europa, o FMI disse que a guerra prolongada na Ucrânia aumentará o número de refugiados que se deslocam para o continente, agravará os gargalos na cadeia de suprimentos, elevará as pressões sobre a inflação e aprofundará as perdas de produção.

LEIA TAMBÉM: Economia da zona do euro tem duas velocidades com serviços em alta e indústria em dificuldades

O maior risco, disse o órgão, é a Rússia parar repentinamente de fornecer petróleo e gás para a Europa, levando a perdas significativas de produção, especialmente nas regiões Central e Oriental.

O relatório disse que, para a União Europeia como um todo, uma interrupção completa de todas as importações russas de petróleo e gás pode significar uma perda de 3% do PIB em 2023, com impacto individual diferente de acordo com o grau de dependência das importações russas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A política fiscal é mais adequada do que a política monetária para lidar com os novos choques”, disse o relatório do FMI.

“Estabilizadores fiscais automáticos devem ser autorizados a operar livremente, enquanto gastos adicionais são alocados para apoio humanitário a refugiados e para transferências para famílias de baixa renda e empresas vulneráveis, mas viáveis”, afirmou o Fundo.

“Com a inflação muito acima das metas, a política monetária deve manter o rumo da normalização”, acrescentou o FMI.

“O ritmo de retirada do estímulo monetário deve variar de acordo com as circunstâncias econômicas, avançando mais rapidamente onde as expectativas de inflação correm o risco de se desancorar. É importante ressaltar que os formuladores de política monetária devem evitar o surgimento de espirais preços-salários”, disse o FMI.

O FMI projetou nesta semana que, por causa da invasão russa da Ucrânia, o crescimento econômico nos 19 países que compartilham o euro será de 2,8% em 2022, 1,1 ponto percentual abaixo da previsão de janeiro.

Compartilhe esta publicação: