Shein surpreende o mundo de vestuário com avaliação de R$ 480 bilhões

Como a Shein, até então desconhecida para a maioria dos investidores, está fazendo tudo mais barato e mais rápido no mundo da moda.

Jon Markman
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Empresa sediada em Nanjing, na China, agora é mais valiosa do que a Zara e a H&M juntas

Acessibilidade


Uma empresa de que muitos investidores nunca ouviram falar está mudando o negócio da moda, fazendo tudo mais barato e mais rápido. E o processo está apenas começando.

A Bloomberg informou na semana passada que a Shein, uma empresa de moda chinesa, alcançou uma avaliação de mercado privado de US$ 100 bilhões (R$ 479,89 bilhões). Empresas de capital de risco estão correndo por um pedaço da economia dos influenciadores. Investidores regulares devem considerar comprar Meta Platforms.

LEIA TAMBÉM: O papel da Geração Z na reinvenção digital da moda

A Shein não é um nome que sai facilmente da boca da maioria dos investidores. A empresa é um produto de Chris Xu, especialista em otimização de mecanismos de busca. Xu começou em 2008 vendendo vestidos de noiva online sob o nome ZZKKO.

Quatro anos depois, a empresa mudou de nome para She Inside e se ramificou em roupas em geral. Hoje, Shein, a mais recente encarnação, é um império global da moda exclusivamente online, com clientes em 150 países e US$ 11 bilhões em vendas anuais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A empresa sediada em Nanjing, na China, agora é mais valiosa do que a Zara e a H&M juntas, suas maiores concorrentes de fast fashion. E a Shein está crescendo muito mais rápido.

O modelo de negócios é baseado na previsão de tendências de moda rápida em tempo real, fabricação verticalmente integrada, marketing viral por meio de influenciadores de mídia social e uma rede de logística que ignora navios de contêineres e caminhões. Shein é fast fashion na era digital.

A empresa usa algoritmos que rastreiam a atividade de navegação no TikTok, no Instagram, no Google e em outras plataformas digitais. Esta informação é transformada em roupas de tendência de produção limitada em cerca de três dias. Os itens são então comercializados on-line e por milhares de influenciadores de mídia social baseados em comissões. Os clientes recebem seus vestidos, blusas e brincos cinco a sete dias depois pelo correio.

Mas deixar a internet prever as tendências da moda pode ser confuso. Os colares de suástica produzidos em 2020 foram um fracasso de relações públicas. E as capas de smartphone vendidas em 2021 que mostravam um homem negro algemado esboçado em giz também erraram o alvo.

A Shein compensa as falhas com grandes sucessos

Explorar a crescente comunidade de influenciadores para comercializar seus produtos foi pura genialidade. E a empresa aproveitou a experiência do TikTok gastando muito em anúncios digitais para alcançar e permanecer na mente de clientes inconstantes de 20 e poucos anos.

General Atlantic, Tiger Global e Sequoia estão entre as grandes empresas de capital de risco que fizeram fila para um pedaço da Shein, de acordo com o relatório da Bloomberg. A avaliação de US$ 100 bilhões coloca o empreendimento de Nanjing como a terceira companhia privada mais valiosa do mundo, atrás apenas da ByteDance, controladora do TikTok, e da SpaceX, fabricante de foguetes de Elon Musk.

As empresas de capital de risco entendem que a Shein invadiu o varejo com ciência de dados e mídia social. É uma poderosa vantagem competitiva que será difícil de replicar.

E a Meta Platforms é uma grande beneficiária da ascensão da Shein. Eu explico.

Atualmente, é popular para investidores e analistas descartar o Meta como um experimento fracassado de mídia social. Para ser justo, uma enxurrada de escândalos no Facebook ajudou essa narrativa a ganhar força. No entanto, em sua essência, o Meta é uma plataforma digital de condomínios fechados. Suas propriedades Facebook, WhatsApps e Instagram são endereços críticos no cenário global de mídia social.

A Shein é dez vezes mais popular no Instagram do que no TikTok, de acordo com um relatório de junho de 2021 no South China Morning Post. Quando os influenciadores publicam fotos de seus últimos itens da Shein, o Instagram é o local de escolha. A Meta ganha comissões vendendo anúncios em torno desse conteúdo, bem como campanhas maiores da marca Shein.

Há ainda o Shops, um programa Meta incipiente para ajudar influenciadores e empresas a construir vitrines digitais dentro do Instagram e de outras plataformas Meta.

O varejo está evoluindo. E o ambiente digital é a próxima bola da vez. É mais barato e mais rápido, e não depende de embarcações marítimas ou shoppings fechados pela covid-19. O digital é direto para o cliente.

A US$ 210 por ação, a Meta está em processo de construção de um fundo depois de cair do patamar de US$ 382,50, em setembro de 2021. A ação é negociada a apenas 14,5 vezes os ganhos futuros, apesar de suas propriedades digitais de estreia. Investidores de longo prazo podem pensar em comprar ações na atual fragilidade.

Compartilhe esta publicação:

Temas