Marcopolo investe em novas tecnologias com foco no futuro da mobilidade

“O futuro da mobilidade urbana aponta para os veículos elétricos”, diz James Bellini, CEO da maior fabricante de carrocerias de ônibus do Brasil.

BrandVoice Marcopolo
Compartilhe esta publicação:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Attivi é o modelo de ônibus 100% elétrico da Marcopolo

Acessibilidade


Ele já deu a volta ao mundo a bordo de um veleiro e já se aventurou em diferentes empreitadas, da exportação de sapatos à fabricação de barcos. Trinta anos atrás, montou uma empresa na Argentina para surfar na onda do então recém-criado Mercosul. Em 2017, uniu essas experiências para assumir o comando do negócio da família: a Marcopolo, maior fabricante de carrocerias de ônibus do Brasil. James Bellini, 62 anos, conta como assumiu o compromisso de dar continuidade ao legado do pai, Paulo Bellini, que transformou uma oficina de pintura em Caxias do Sul (RS) em uma indústria de alcance internacional.

No início dos anos 1990, depois de passar a década anterior exportando sapatos, o mais velho dos três filhos do fundador decidiu aproveitar as oportunidades do incipiente Mercosul para, ao lado de sócios argentinos, promover um intercâmbio entre os dois países – principalmente de produtos ligados ao setor calçadista. Logo teve a ideia de sugerir ao pai – que concordou – e aos sócios incluir os ônibus no portfólio da trading. “Assim, dos meus 32 aos 37 anos, fui representante comercial na Argentina. No fim desse período, depois de vender mil ônibus, fui convidado pelos executivos da Marcopolo a voltar ao Brasil para cuidar das exportações.” Aceitou.

LEIA MAIS: EUA devem gastar mais de US$ 3 bilhões em baterias de veículos elétricos

Dez anos depois, em 2006, achou que era hora de navegar por outros mares. “Montei um estaleiro em São José dos Pinhais, perto de Curitiba, e durante seis anos fizemos embarcações artesanais de alta qualidade. Até hoje nossos barcos são procurados”, diz ele. Mas, apesar de prazerosa, a nova atividade ainda não era a realização de seu maior sonho. “Tinha uma coisa que eu não podia morrer sem fazer: dar a volta ao mundo velejando.”

Um dia, quando o casco de um protótipo de 44 pés ficou pronto, ele percebeu que estava diante da grande oportunidade. Finalizou o barco e, entre julho de 2014 e dezembro de 2016, fez a experiência “mais rica” de sua vida ao lado de um único tripulante. Voltou com lições na bagagem. “Aprendi que planejamento é fundamental, mas é preciso saber que haverá imprevistos e que é vital saber lidar com eles. Aprendi também que na hora da verdadeira necessidade não é de dinheiro, não é de cargo que você precisa. É das pessoas que estão ao seu lado, prontas para ajudar.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

James Bellini é CEO da Marcopolo

Pouco tempo depois, em junho de 2017, Paulo Bellini morreu, aos 90 anos. Emocionado, James diz: “Me dei conta de que eu precisava voltar à empresa para minha outra missão na Terra: dar sequência ao legado do meu pai”. Tornou-se presidente do conselho e CEO interino. “Aí veio a pandemia. O mercado rodoviário, nosso forte, desapareceu.” Coube a ele conduzir a Marcopolo durante a tempestade. Nos últimos dois anos, a empresa reorganizou suas operações no Brasil e no exterior, reduziu o custo fixo em 30% e manteve resultados positivos mesmo depois da queda de quase 50% no volume de carrocerias produzidas no país. Pagou bons dividendos em 2020 e 2021 e viu seu market share chegar a 57% em 2021.

A Marcopolo concluiu o processo de homologação do Attivi, seu ônibus 100% elétrico. “Isso é um marco em nossa história: é o primeiro ônibus elétrico integral homologado no Brasil”, comemora o empresário, acrescentando que devem ser produzidas 30 unidades até o fim do ano. Ainda durante a pandemia, entre outras iniciativas, lançou a divisão Marcopolo Rail, focada em veículos leves sobre trilhos, e a nova geração de rodoviários, reconhecida com o prêmio internacional de design iF Design Award 2022, além do Attivi. A companhia anunciou o reaproveitamento de 1 milhão de garrafas PETs usadas na produção de componentes de alguns modelos. Esses projetos receberam investimentos de R$ 238 milhões e renderam ao próprio James prêmios como o AutoData 2021 (foi o vencedor da categoria Liderança Empresarial/Fornecedores) e o de Personalidade de Marketing da ADVB/RS.

“O futuro da mobilidade urbana aponta para os veículos elétricos”, avalia James, citando também os VLTs, capazes de levar mais passageiros a um custo de fabricação menor que o do metrô. E comemora um passo real rumo a esse futuro: “O aeromóvel do aeroporto de Guarulhos terá carroceria Marcopolo”.

*BrandVoice é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: