O dinheiro é rei

"O homem esquece mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio", já dizia Nicolau Maquiavel.

Nelson Wilians
Compartilhe esta publicação:
Sharon McCutcheon/Unsplash
Sharon McCutcheon/Unsplash

Bilionários russos têm fortunas espalhadas pelo mundo e são amigos de Putin

Acessibilidade


Na desgraçada guerra da Rússia contra a Ucrânia, uma das sanções mais espetaculares impostas pela União Europeia e pelos Estados Unidos foi o bloqueio e confisco de dinheiro, jatos, iates e imóveis de alguns bilionários do país invasor. Conhecidos como oligarcas russos, além de uma grande fortuna espalhada pelo mundo, eles têm em comum o fato de serem amigos do autocrata Vladimir Putin.

A ideia no “cancelamento financeiro” dos bilionários russos era de que eles fossem chorar as pitangas a Putin e pedir a ele que colocasse fim aos ataques contra os ucranianos, além, é claro, de impedir que o dinheiro deles continuasse a financiar as loucuras do czar das bombas.

Leia mais: Os Dylans digitais

 

“O homem esquece mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio.” (Nicolau Maquiavel)

A frase de Maquiavel em destaque encapsula bem o sentimento de que o dinheiro move o homem – ainda que seja mais fácil prever o tempo por meses a fio do que interpretar a tempestuosa cabeça de Putin.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Dá até para imaginar o que o repressor russo tenha dito aos seus parças, além de algumas ameaças: “A riqueza não consiste em ter grandes posses, mas em ter poucas necessidades”. E, em seguida, deve ter soltado um “não me venham com chorumelas.”

Longe de querer fazer piada com um assunto tão sério (a destruição de um país soberano em meio a um banho de sangue), o fato é que esse bloqueio de bens privados, nunca feito antes nessas proporções, estabelece uma nova forma de pressão para inibir aventuras expansionistas futuras à base da força.

Para usar uma frase da escritora Nancy Koehn, “toda crise é uma boa sala de aula”. E essa guerra, escancaradamente russa, nos ensinou que há uma nova relação de interconexão e interdependência global. A parte agora pode se agrupar rapidamente para formar o todo.

Sugiro até que a praça da Liberdade, em Kiev, em que se destaca a imagem de São Miguel, o anjo guerreiro, se torne o símbolo de uma nova postura econômica global contra golpes descabidos e o financiamento de ditaduras.

Sim, o Ocidente rico que se fingia sonâmbulo quando cobrado por financiar regimes autocráticos será moralmente (ou na marra?) obrigado a estabelecer um modelo de compliance a partir da guerra de Moscou contra a Ucrânia.

Vale destacar a atitude das empresas de tecnologia e plataformas digitais, como o Facebook e o TikTok, que bloquearam o acesso às fontes de notícias apoiadas por Moscou, e a Microsoft, que bloqueou downloads de seus aplicativos e o conteúdo da agência Sputnik no MSN. Somam-se ainda as inúmeras empresas estrangeiras que interromperam suas atividades no país de Putin.

Até aqui sempre intransigente na defesa de seus enormes lucros, centenas de empresas se posicionaram rapidamente contra o Kremlin e a favor do respeito à vida humana. Com certeza, os líderes empresariais passarão a ver suas próprias empresas, seus consumidores e suas cadeias de suprimentos sob uma nova luz a partir de agora, com a responsabilidade de enxergar que “o dinheiro muitas vezes custa muito” [Ralph Waldo Emerson].

Nelson Wilians é CEO da Nelson Wilians Advogados.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Artigo publicado na edição 94, de março de 2022.

Compartilhe esta publicação: