Quais são as sanções contra a Rússia e seus impactos econômicos?

Apple, Meta, BMW e Delta são algumas das companhias que suspenderam parte das operações no território russo.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:
Simona Granati - Corbis/Corbis via Getty Images - 27.fev.2022
Simona Granati - Corbis/Corbis via Getty Images - 27.fev.2022

Mercados internacionais pressionam a Rússia para o fim da guerra

Acessibilidade


Desde que a Rússia começou a invasão à Ucrânia, na última quinta-feira (24), o país tem sido alvo de uma série de duras sanções econômicas cujos efeitos já são sentidos em diversos setores da economia.

Os governos de Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Japão e membros da União Europeia (UE) adotaram medidas que afetaram os meios de transporte, as transações financeiras e a distribuição de combustíveis e alimentos.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Conheça as principais sanções impostas à Rússia e entenda como elas afetam os mercados globais:

Sistema bancário

Uma das restrições de maior impacto na economia russa é a remoção de diversos bancos do sistema Swift, uma plataforma financeira e de comércio internacional que realiza pagamentos interbancários em todo o mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ontem (1º), o Swift afirmou que aguardava informações sobre quais bancos as autoridades querem que sejam desconectados do seu sistema.

“Sempre cumpriremos as leis”, afirmou a plataforma em comunicado. “Estamos conversando com as autoridades para entender quais entidades serão submetidas a essas novas medidas e vamos desconectá-las [do sistema] assim que recebermos instruções para fazê-lo.”

Hoje, a União Europeia anunciou que pediu a exclusão do banco estatal VTB, Bank Otrkitie, Novikombank, Promsvyazbank, Bank Rossiya, Sovcombank e VEB do sistema.

Uma autoridade sênior da UE explicou que os bancos foram escolhidos com base em suas conexões com o Estado russo e com os bancos públicos – estes já sofrem sanções desde a anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014.

Leia mais: Quem são os bilionários russos alvos de sanções dos Estados Unidos e da Europa?

O grupo de países informou ainda que irá congelar ativos do Banco Central russo.

Logo no início do conflito, na semana passada, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou sanções visando trilhões em ativos controlados pela Rússia, assim como as elites do país e instituições financeiras.

Os Estados Unidos impediram o Banco Central da Rússia de realizar transações em dólar, além de terem bloqueado totalmente o fundo de investimento direto russo. De acordo com as autoridades dos EUA, as medidas foram tomadas para impedir que o país acesse uma reserva para “dias difíceis” durante a guerra.

As empresas de pagamentos Mastercard e Visa bloquearam várias instituições financeiras russas de suas redes.

Transportes

A União Europeia fechou seu espaço aéreo à Rússia e proibiu aeronaves de pousar, decolar e sobrevoar os países membros. A restrição vale para todos os aviões russos e inclui os jatos particulares dos oligarcas.

O Reino Unido baniu a companhia aérea russa Aeroflot de seu espaço aéreo.

A norte-americana Delta Airlines deixou de operar no território russo.

A Boeing também fechou suas principais operações em Moscou. A companhia suspendeu os serviços de manutenção, peças e suporte técnico para companhias aéreas russas.

A MSC e a Maersk, duas das maiores empresas de transporte marítimo do mundo, suspenderam as entregas que têm a Rússia como origem ou destino. No caso da Maersk, a medida inclui o transporte de alimentos, materiais médicos e suprimentos humanitários.

BMW e Ford anunciaram que suspenderam a produção e comercialização de veículos no território russo. A Honda suspendeu as exportações de carros e motos para a Rússia. A Renault também interrompeu duas operações no país.

Commodities

A ExxonMobil anunciou ontem que sairá de uma joint venture na Ilha Sakhalin, no leste da Rússia, e não investirá em outros empreendimentos no país.

A BP planeja abandonar sua participação de 19,75% na gigante petrolífera russa Rosneft. A decisão encerra 30 anos de operação no país, um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

A Shell também informou que encerrou todas as suas operações russas, incluindo joint ventures com a estatal de gás Gazprom e uma grande usina de gás natural liquefeito (GNL).

A francesa TotalEnergies vai deixar de financiar projetos na Rússia e disse que observaria as sanções europeias mesmo com as consequências que isso trará para suas atividades.

A Equinor, da Noruega, afirmou que não realizará novos investimentos no país, e também deixará as joint-ventures que mantém com companhias de energia russas.

Grandes marcas

Gigantes como Meta, Twitter, Netflix, YouTube, Snapchat e Walt Disney também anunciaram restrições ao mercado russo.

A Snap, controladora do Snapchat, informou que a plataforma parou de exibir anúncios na Rússia, Belarus e Ucrânia, além de interromper as vendas de anúncios na Rússia e na Belarus. A companhia prometeu doar US$ 15 milhões a organizações de assistência à Ucrânia.

Executivos da Meta afirmaram que o algoritmo do Facebook deixou de recomendar as publicações das mídias estatais russas e que elas em breve serão retiradas do Instagram.

O YouTube bloqueou os canais dos meios de comunicação financiados pelo Estado russo em toda a Europa.

A Netflix, por sua vez, anunciou que não pretende manter a distribuição de canais de notícias, esportes e entretenimento da mídia estatal de Moscou. Já a Disney anunciou que não lançará novos filmes na Rússia, e as plataformas de televisão Roku e DirecTV baniram os canais estatais russos.

Leia mais: Mais bilionários russos se manifestam contra a guerra de Putin na Ucrânia

O festival de cinema de Cannes baniu delegações oficiais da Rússia de sua edição de 2022, que acontece de 17 a 28 de março, a menos que o conflito na Ucrânia termine.

O Twitter informou que irá incluir um rótulo nos retweets de informações de contas da mídia estatal russa. A empresa também disse que suspendeu temporariamente os anúncios na Ucrânia e na Rússia.

A Apple reportou ontem que interrompeu as vendas de seus produtos na Rússia, além de restringir o acesso a aplicativos no país e desativar o recurso de tráfego do Apple Maps na Ucrânia.

O Airbnb anunciou que fornecerá moradia gratuita de curto prazo para 100 mil refugiados que fugiram da Ucrânia. As acomodações serão bancadas pela empresa e por meio de doações.

Esportes

A Fifa e a Uefa excluíram a Rússia das próximas competições internacionais, inclusive da Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Qatar no fim deste ano. Ontem, a Adidas anunciou que rompeu sua parceria de anos com a União Russa de Futebol.

A desenvolvedora de videogames EA Sports está retirando todos os times da Rússia do Fifa, um dos jogos mais populares de seu portfólio.

As equipes de tenistas russos também foram proibidas de defender seus títulos da Copa Davis e da Copa Billie Jean King. Os atletas ainda poderão competir individualmente nos Grand Slams e em eventos regulares dos circuitos, desde que não representem a Rússia.

Repercussão

Desde o início do conflito, produtores russos de petróleo adiam vendas pela falta de compradores. Importadores na Europa e na Ásia têm rejeitado barcos russos transportando a commodity por causa das sanções.

Os preços do petróleo dispararam 6,85% hoje com o aumento dos temores de interrupção do fornecimento. As restrições impostas aos bancos russos afetaram duramente o setor e fazem os traders enfrentarem dificuldades para obter fontes alternativas do produto.

A moeda russa atingiu nova mínima recorde de 110 rublos por dólar na manhã de hoje e após cair mais de 30% nos últimos dias.

Compartilhe esta publicação: