Em meio à guerra, 15 mil milionários russos tentam sair do país

Russos temem impacto econômico de sanções estrangeiras ao país

Siladitya Ray
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Temendo efeitos econômicos da guerra, cerca de 15 mil milionários russos tentam sair do país

Acessibilidade


Milhares de milionários russos podem estar se preparando para deixar seu país enquanto a guerra com a Ucrânia continua, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido em sua atualização diária de inteligência hoje (17), sinalizando possível oposição ou preocupações entre a elite russa sobre os custos econômicos das sanções estrangeiras.

Cerca de 15 mil milionários russos apresentaram pedidos de migração e podem estar se preparando para deixar o país, disse a atualização de inteligência.

Leia mais: Big Mac ainda é vendido na Rússia apesar de saída do McDonald’s do país

O ministério observa que o potencial êxodo pode ser motivado pela “oposição pessoal à invasão” das pessoas ou por temores sobre o impacto econômico das sanções ocidentais contra a Rússia.

A saída de um grande número de russos ricos do país pode servir apenas para piorar suas perspectivas econômicas de longo prazo, observou a atualização.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar dos esforços do Kremlin para reprimir toda a oposição à guerra, vários russos se juntaram à chamada “Legião da Liberdade para a Rússia”, que agora está lutando ao lado das forças ucranianas, acrescenta o relatório.

À medida que seu progresso na Ucrânia diminuiu, Moscou passou a aprovar leis para silenciar qualquer oposição à guerra, incluindo uma sentença de 15 anos de prisão por compartilhar o que é considerado informação falsa sobre os militares. A maioria da elite russa expressou apoio à guerra ou permaneceu em silêncio sobre ela. Aqueles que se manifestaram contra a invasão, como o magnata do setor bancário e ex-bilionário Oleg Tinkov, teriam enfrentado uma reação do Estado. No mês passado, Tinkov disse que foi forçado pelo Kremlin a vender sua participação no segundo maior banco da Rússia sem qualquer oportunidade de negociação. Tinkov, que agora vive na Itália, tem manifestado sua oposição ao que chamou de “guerra louca”. O ex-bilionário sugeriu que vários membros da elite empresarial e governamental da Rússia concordaram com ele em particular, mas estavam com muito medo de falar publicamente.

Vários oligarcas russos e seus ativos de propriedade estrangeira foram alvo de sanções ocidentais desde o início da invasão da Rússia. Isso levou à apreensão de iates e villas multimilionárias de propriedade de oligarcas com laços estreitos com o presidente russo, Vladimir Putin.

No início deste mês, autoridades dos EUA apreenderam formalmente um superiate ligado ao magnata do ouro russo e bilionário Suleiman Kerimov. Iates pertencentes a outros bilionários russos como Igor Sechin e o magnata da mineração Alisher Usmanov também foram apreendidos pelas autoridades europeias. O maior destaque dessas apreensões ocorreu no mês passado, quando as autoridades italianas apreenderam um superiate que se acredita ser de propriedade do próprio Putin.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: