Ibovespa recua 0,83% com dados de inflação no radar da semana

Dólar sobe 0,37% e atinge R$ 4,7962

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


Descolado do exterior, o Ibovespa operou em baixa hoje (6), chegando ao limite de quase perder os 110 mil pontos pela manhã. Sem fôlego para manter a alta, o principal índice de ações do Brasil fechou em queda de 0,83%, aos 110.178 pontos, com um volume financeiro de R$ 16,9 milhões, abaixo da média diária de R$ 30 milhões.

Novas medidas de flexibilização das restrições na China, anunciadas no final de semana, movimentaram o Ibovespa hoje e aumentaram o apetite por risco dos investidores. Além disso, o PMI de serviços chinês registrou uma alta de mais de cinco pontos em maio, para 42,2 pontos, fechando o terceiro mês seguido de avanços, ainda que se mantenha abaixo da marca de 50 pts, que separa a expansão da contração.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

No radar econômico, o Banco Central (BC) divulgou um novo Relatório Focus, em que a estimativa de inflação foi elevada de 7,89% para 9% ao fim de 2022. Já a taxa de juros (Selic) se manteve estável, no valor de 13,25% ao ano, às vésperas do próximo encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

Com o pessimismo em relação ao aumento dos preços no país, as ações das varejistas protagonizaram as maiores perdas do Ibovespa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Magazine Luiza (MGLU3) perdeu 5,29%, as Americanas (AMER3) caíram 4,89%, Lojas Renner (LREN3) recuou 4,29%, além das perdas de Petz (PETZ3), -4,25%, e Via (VIIA3), -3,20%.

Do lado dos ganhos, o destaque foi a Raia Drogasil (RADL3), que subiu 2,68%, seguida por CSN Mineração (CMIN3), +1,94%, e Locaweb (LWSA3), +1,69%.

Em Wall Street, o dia fechou sem direção definida, com o S&P 500 e o Nasdaq registrando avanços de 0,31% e 0,40%, respectivamente, enquanto o Dow Jones se manteve estável (+0,04%) ao fim do pregão.

Investidores aguardam dados sobre o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla inglês) de maio, também às vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve, o banco central dos EUA. Membros do Fed já indicaram que os meses de junho e julho devem reservar aumentos de 0,5 pontos percentuais para a taxa de juros do país.

Também acontece nesta semana a decisão do Banco Central Europeu (BCE) sobre a taxa de juros na zona do euro. Especialistas indicam que o BCE deve anunciar subida dos juros em 0,25 ponto percentual em julho, assim como o começo da diminuição do balanço patrimonial como resposta ao avanço da inflação.

O dólar fechou em alta de 0,37% frente ao real, cotado a R$ 4,7962 na venda, com a força da expectativa de aumento dos juros nos EUA .

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: