Setor de serviços do Brasil tem forte expansão em junho apesar de inflação, mostra PMI

O PMI saltou a 60,8 em junho, igualando a taxa mais alta na série histórica, vista em abril de 2007

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Fornecedores de serviços do Brasil elevaram seus preços de venda pelo 20º mês e à taxa mais forte já vista

Acessibilidade


A expansão do setor de serviços no Brasil acelerou com força em junho e igualou o recorde da série histórica apesar das fortes pressões de preços, de acordo com pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da S&P Global divulgada hoje (5).

O PMI saltou a 60,8 em junho, de 58,6 em maio, igualando a taxa mais alta na série histórica, vista em abril de 2007 – a pesquisa começou a compilar os dados em março daquele ano -, em meio à entrada quase recorde de novos trabalhos e com a demanda em expansão.

Leia mais: Confiança de serviços do Brasil tem 4ª alta mensal em junho, mas perde força

A entrada de novos trabalhos acelerou em relação a maio e foi a mais forte desde maio de 2007, sustentada pela conquista de novos negócios, maior investimento e demanda forte.

Os serviços ao consumidor registraram a maior alta nos novos negócios, seguidos de perto pelo subsetor de finanças e seguros.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Esse aumento, associado a projeções de crescimento, garantiu a alta das contratações em junho, com a criação de vagas se estendendo para o 13º mês seguido, na taxa mais forte já registrada.

Os empresários do setor mantiveram o otimismo forte em junho, com o sentimento sobre as perspectivas de crescimento numa máxima de quase três anos. As empresas também mostraram esperanças de resultado positivo da eleição presidencial de outubro, e passaram a ver aumento da produção ao longo dos próximos 12 meses devido ainda aos esforços de marketing e investimentos.

O mês, entretanto, também foi marcado por aumento nos gastos das empresas, com os custos de insumo subindo a uma taxa mais lenta do que em maio mas ainda a segunda mais forte na série histórica.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As pressões vieram, segundo a pesquisa, da força do dólar e dos custos mais elevados de energia, alimentos, combustíveis e produtos de higiene.

Diante disso e com a resiliência da demanda, os fornecedores de serviços elevaram seus preços de venda pelo 20º mês e à taxa mais forte já vista na pesquisa.

“Apesar das agressivas altas de juros, o cenário da inflação não melhorou. Os custos de insumos subiram a um ritmo que só foi superado em maio”, disse a diretora associada de economia da S&P Markit, Pollyanna De Lima.

Com o forte resultado de serviços e a indústria também em crescimento em junho, o PMI Composto do Brasil subiu de 58,0 em maio a 59,4 no mês passado, no segundo ritmo mais forte de expansão da atividade empresarial desde o início do levantamento, em março de 2007.

Compartilhe esta publicação: