Tiger Woods recusa US$ 800 milhões para se juntar a torneio de golfe

A oferta foi quatro vezes menor para outros atletas convidados pelo LIV Golf

Derek Saul
Compartilhe esta publicação:
Foto: Reprodução Forbes EUA
Foto: Reprodução Forbes EUA

Com patrocínios e participações em negócios, Tiger Woods entrou para o clube de atletas bilionários em junho.

Acessibilidade


Tiger Woods recusou entre US$ 700 milhões e US$ 800 milhões (R$ 4,1 bilhões) para se juntar ao LIV Golf, disse o CEO do tour, Greg Norman, na noite de ontem (1º), uma oferta que se eleva acima dos enormes contratos relatados de outras estrelas que ingressaram no controverso circuito financiado pela Arábia Saudita.

Norman disse a Tucker Carlson, da Fox News, que a LIV Golf ofereceu a Woods “em algum lugar na vizinhança” entre US$ 700 milhões e US$ 800 milhões, explicando que “Tiger é um movimentador de agulhas”.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os acordos assinados por estrelas americanas que se juntaram ao novo campeonato não se comparam em valores com o acordo oferecido a Woods. Phil Mickelson (cerca de US$ 200 milhões), Dustin Johnson (mais de US$ 100 milhões) Bryson DeChambeau (mais de US$ 100 milhões), Brooks Koepka (mais de US$ 100 milhões).

Mas a extrema riqueza de Woods o coloca em um plano diferente dos outros golfistas, já que a Forbes nomeou o jogador de 46 anos de bilionário em junho, graças a US$ 1,7 bilhão (R$ 8,9 bilhões) em ganhos na carreira, mais do que qualquer atleta monitorado pela Forbes, e se juntando a LeBron James e Michael Jordan como o único outro atleta bilionário.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Woods é um crítico declarado do LIV Golf, dizendo no mês passado que acredita que os golfistas que se juntaram ao tour “deram as costas ao que lhes permitiu chegar a esta posição”, rasgando o formato de 54 buracos e sem cortes do LIV Golf.

Norman disse ao Washington Post em junho que a LIV Golf ofereceu a Woods um contrato “enormemente enorme” de “nove dígitos altos”.

O Fundo de Investimento Público, fundo soberano da Arábia Saudita, investiu bilhões de dólares no empreendimento de golfe, que muitos veem como uma forma de o país melhorar sua reputação internacional, considerando seu histórico de abusos de direitos humanos.

Sete. Essa é a quantidade de desertores do LIV Golf na lista da Forbes dos 10 golfistas mais bem pagos do mundo, divulgada na semana passada. Os US$ 138 milhões em ganhos de Mickelson no ano passado lideraram facilmente todos os golfistas, impulsionados em grande parte por seu enorme pagamento adiantado do tour.

A entrevista de Norman com Carlson ocorre quando o LIV Golf se torna cada vez mais próximo da direita política, particularmente do ex-presidente Donald Trump. Na semana passada, o LIV Golf sediou um torneio no country club de Trump em Bedminster, Nova Jersey, e Trump apareceu com destaque durante todo o evento para aplausos da multidão.

Compartilhe esta publicação: