Como uma Under 30 decidiu fechar seu negócio de capacete de bicicleta para se concentrar em sua própria saúde mental

Trabalho excessivo, estresse e problemas provocados pela pandemia são alguns dos fatores apontados pela empreendedora.

Amy Feldman
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Rachel Benyola, fundadora da Kova, com seu capacete dobrável

Acessibilidade


Dois anos atrás, quando a Forbes realizou o Under 30 Summit em Detroit, Rachel Benyola, fundadora da Kova by AnneeLondon, fez uma demonstração de seu capacete para bicicleta, que se dobrou como um origami. Ela foi ao palco usando-o e tirou-o para demonstrar como o design – ainda em teste – funcionava. Foi uma surpresa no estágio de fabricação. “Lembro-me de todos aplaudindo quando eu disse que iria construí-lo nos Estados Unidos”, ela lembra.

Mas o empreendedorismo não é fácil, e Rachel, agora com 33 anos, fechou sua empresa no ano passado, vendendo as peças que podia, depois de lutar para levantar fundos e mantê-la funcionando durante a pandemia. A decisão, ela diz agora, foi dolorosa, mas crucial para sua saúde mental. Ela decidiu compartilhar sua própria história porque acredita que poderia ajudar outros fundadores que enfrentam lutas semelhantes.

LEIA TAMBÉM: Paula Raia lança coleção de enxoval para a Trousseau

“Eu não estava tirando folga e não estava cuidando de mim mesma, e me dei conta um pouco tarde demais de que eu estava lutando contra enxaquecas crônicas e não conseguia sair da cama”, diz a empreendedora. “A empresa funcionava sem fôlego porque eu me sentia assim.”

“Há uma positividade tóxica da cultura de inicialização. As pessoas dizem: ‘Não desista, continue assim’. Tornou-se meio perigoso.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em 2016, Rachel, que é bacharel pela Rutgers, foi motivada a iniciar a empresa com sede na Filadélfia ao ver amigos que se recusavam a usar capacetes devido ao seu volume e inconveniência. Rachel, ela mesma uma ciclista, havia se envolvido em acidentes. Um amigo ficou cego de um olho.

O design do capacete, que ela chamou de Kova, era confortável e conveniente. Ele tem o contorno da cabeça com dobradiças e é dobrado em estilo origami. Rachael entrou com uma patente para ele e levantou cerca de US$ 500 mil em financiamento inicial de investidores. O design era lindo e ela chamou a atenção, aparecendo em nosso radar em 2017 para a lista Under 30 da Forbes no ano seguinte.

Mas fazer um novo capacete de bicicleta é difícil. Ele precisa ser certificado para ser seguro em todas as condições climáticas e, em seguida, produzido em grande escala. Ela colocou tudo que tinha na empresa, enchendo seus cartões de crédito com dívidas e até vendendo itens pessoais para levantar dinheiro. Quando chegou à lista de 2018 da Under 30 da Forbes na área de manufatura, ela estava lutando seriamente. “O dia em que recebi uma carta que constava na lista Under 30 da Forbes foi no mesmo dia em que fui aprovada para o auxílio alimentação”, lembra ela. “Fiquei muito animada com os dois.”

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O design do capacete Kova se opunha à cabeça – e dobrado para facilitar o transporte

VEJA MAIS: Naomi Osaka lança Kinlò, uma linha de cuidados para a pele destinada às pessoas com mais melanina

No inverno de 2019, ela fez apresentações para investidores em Nova York, Los Angeles, São Francisco e Portland. Ela diz que alguns (os quais ela se recusa a nomear) se mostraram interessados, mas eles recuaram quando a pandemia surgiu no ano seguinte. “Em duas semanas, recebi telefonemas ou e-mails desses fundos de investimento dizendo: ‘Não é nada pessoal, mas vamos adiar os investimentos em algo novo em um futuro próximo’”, diz ela. “Fiquei desanimada, mas pensei: ‘Vamos descobrir o que podemos fazer.’”

Então, no final de março, ela começou a se sentir mal. Logo, ela e seu namorado (agora marido) foram diagnosticados com Covid-19. “Durante aqueles meses em que estive em casa, tive que encarar o que não queria enfrentar: é algo que quero continuar fazendo, essa batalha difícil de colocar esse produto no mercado? Foi uma decisão e uma escolha muito difíceis de aceitar”, diz ela.

Meses se passaram enquanto ela se recuperava da doença e aceitava sua decisão. Ela fazia jardinagem para ficar calma, mas o estresse de não ter fundos ou seguro de saúde pesava muito. “Estressante não descreve isso de forma adequada. Eu estava indo para eventos de startups, e um cara me disse que estava morando em seu carro e outro disse que estava morando no armário de utilidades do escritório de um amigo”, conta. “Todo mundo está endividado, mas, publicamente, espera-se que sejamos tão carismáticos, super positivos, retratando o sucesso. Há uma positividade tóxica da cultura de inicialização. As pessoas dizem: ‘Não desista, continue assim’. Tornou-se meio perigoso.”

LEIA TAMBÉM: PatBO estreia presencialmente na Semana de Moda de Nova York

No verão no hemisfério norte, ela falou com seus investidores sobre a decisão. Rachel diz que chorou quando eles disseram que investiriam com ela novamente. A empreendedora dissolveu a entidade corporativa e vendeu os ativos que podia para diferentes parceiros de fabricação. O dinheiro ajudou a cobrir algumas dívidas e a pagar algumas despesas. Mas ela também soube que sua patente havia ficado em estado de abandono por não manter os registros atualizados devido à falta de dinheiro. Em um e-mail para apoiadores nesta primavera, ela disse a eles que não haveria reembolso para pré-encomendas. “O pagamento foi para a extensa pesquisa e desenvolvimento do capacete”, escreveu ela. “Eu quero agradecer do fundo do meu coração pelo seu apoio.”

Qual é o próximo passo? Rachel Benyola, que tem mestrado em psicologia clínica pelo Chestnut Hill College, agora está fazendo coaching executivo, trabalhando com indivíduos e startups e ajudando-os a aprender com sua experiência. “Eu gosto de trabalhar com diferentes startups e tenho conversado com alguns fundos de risco e incubadoras sobre como podemos construir essas auditorias de bem-estar”, afirma. “Estou começando a sair da minha concha.”

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: