Serena Williams sobre ‘King Richard’ e as lições empreendedoras que ela aprendeu com seu pai

Uma das maiores atletas de todos os tempos, a tenista que encanta plateias conta o que a levou a produzir um filme no qual expõe sua família .

Olivia Perez
Compartilhe esta publicação:
Gettyimages
Gettyimages

Para a campeã de tênis, o filme acabou sendo tudo que ela queria e uma homenagem ao pai que ela deseja que o mundo veja

Acessibilidade


Alguns podem se perguntar porque o tão esperado filme biográfico sobre as lendárias irmãs Williams foi contado do ponto de vista de seu pai, Richard Williams. Mas, para Serena Williams, essa era a única maneira pela qual a história de sua ascensão à realeza do tênis poderia ser contada.

Em King Richard, os espectadores têm uma visão pessoal da educação de duas das maiores atletas do nosso tempo e como o plano de 78 páginas de seu pai, para escrevê-las na história, estabeleceu a base para quem eles são hoje.

LEIA TAMBÉM: Brasileira entra na lista Forbes 30 Under 30 dos EUA

Estrelado por Will Smith como o próprio patriarca, ao lado de Saniyya Sidney e Demi Singleton como Venus Williams e Serena, respectivamente, o filme levanta o véu sobre uma das famílias mais bem-sucedidas do esporte, pintando um novo quadro de uma figura controversa da história.

Apesar de não ter nenhum treinamento profissional de tênis, Richard Williams treinou ele mesmo as suas duas filhas e ficou conhecido por seus modos autoritários e natureza protetora em relação a elas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Richard prevalece como uma figura heróica em King Richard, um contestador de paradigmas que se propôs a mudar a face da indústria do tênis e sempre colocou suas filhas em primeiro lugar. “As pessoas entenderam a história errada ou a mídia retratou meu pai sob uma luz falsa. Queremos contar essa história certa”, disse Serena.

Venus e Serena são listadas como produtoras executivas do filme, um título que só aprovaram após ver o filme pronto pela primeira vez.

Para a campeã de tênis, o filme acabou sendo tudo que ela queria e uma homenagem ao pai que ela deseja que o mundo veja: “Acho que foi uma ótima oportunidade de ver como os pais afro-americanos são incríveis. Muitos homens negros não são vistos sob essa luz. E muitas pessoas pensam que meu pai era um personagem diferente. Ele queria que nos divertíssemos, antes de qualquer coisa. Isso é o que eu mais amei.”

Uma cena do filme que ressoou profundamente para Serena retratou um momento em que sua irmã, Venus, estava sendo entrevistada pelo então correspondente da ABC News, John Mackenzie, antes do seu primeiro match. Em 1991, a família se mudou de Compton, na Califórnia, para a Flórida, quando Venus teve a chance de treinar com Rick Macci na Rick Macci Tennis Academy.

Quando questionada se ela achava que poderia derrotar sua oponente, Vênus sorriu e disse: “Eu sei que posso vencê-la”, sem pestanejar. Mackenzie imediatamente a questionou sobre a sua confiança: “Você sabe que pode vencê-la?”, perguntou.

Foi então que o pai da tenista interveio, pediu ao entrevistador para cortar a entrevista e afirmou que não gostou que alguém questionasse a confiança de um jovem de 14 anos.

“Quando ela diz alguma coisa, nós contamos o que está acontecendo. Você está lidando com uma garotinha negra, deixe ela ser uma criança. Venus respondeu com muita confiança. Deixe isso pra lá”, diz Richard no filme, protegendo sua filha. Quando questionada sobre os conselhos que recebeu do pai, Serena reflete sobre a força dele: “Eu amo a força dele. Amo o quão forte ele nos ensinou a ser e a não aceitar nada menos do que merecemos”.

As lições de Richard estabeleceram a base para o titã que Serena é hoje — das tradições familiares aos negócios de marca, e como ela se comporta como empreendedora e mulher de negócios.

“Lembre-se quem você é. Lembre-se de onde você veio. Fique firme e tenha orgulho disso”, disse Richard no filme para suas filhas, como um lembrete constante de sempre manter os pés no chão.

Nos amados dias de folga na Disney World com a família, Richard ensinou a filha a dirigir e Serena construiu relacionamentos autênticos e duradouros que impulsionaram sua carreira. O carro em que Richard a ensinou a dirigir era um Lincoln, que ela chamava de Ginger, que ficou na família durante os anos que se seguiram e foi o veículo para uma abundância de memórias familiares.

Avançando até os dias atuais, Serena é uma embaixadora da empresa automobilística e utiliza o carro como seu porto seguro para se descomprimir do mundo ao seu redor.

Ela se juntou à família Lincoln em 2018, em um momento no qual afirma: “Com todas as pessoas com quem faço parceria, há uma verdadeira autenticidade e uma história por trás disso. Seja algo que eu gostava quando era mais jovem ou algo que aspirava ter em minha vida.”

Serena também começou seus próprios negócios que inspiram os fãs a compartilhar suas histórias e abraçar sua individualidade. Em 2014, ela lançou a Serena Ventures, uma empresa que defende fundadores diversos e criativos e ideias poderosas, investindo em suas ideias.

Desde o lançamento, Serena investiu em mais de 50 empresas, incluindo Every Mother, Honeylove e Daily Harvest. Então, em 2018, lançou suas marcas de roupas e joias de mesmo nome, S by Serena e Serena Williams Jewelry, peças destinadas a capacitar seus fãs a se sentirem mais confiantes e refletir sua identidade autêntica. Como designer, ela também criou várias coleções para a Nike, como uma de suas atletas patrocinadas.

Mas Serena também está trabalhando em seu maior projeto. Junto com seus pais, o foco de Williams em sua família nunca foi tão forte. Mãe de uma menina de quatro anos, Olympia Ohanian, com o fundador do Reddit Alexis Ohanian, Serena diz que “espera ser metade da mãe que viu em seus pais”.

Enquanto reflete sobre o que deseja que os espectadores tirem de sua jornada, ela diz: “Às vezes, é preciso uma família. Quando você não tem uma família, uma família pode ser substituída por amigos e pessoas que acreditam em você. É importante ter um sistema como aquele. Não poderíamos ter feito isso sem o nosso.”

Compartilhe esta publicação: