Mulheres na ciência: as brasileiras na linha de frente contra a Covid

As mulheres representam 70% da força de trabalho na saúde em todo o mundo. Conheça algumas brasileiras que fazem a diferença no combate à pandemia.

Fernanda de Almeida
Compartilhe esta publicação:
Andrea Marques
Andrea Marques

Dia das Mulheres e Meninas na Ciência: “A pandemia mostrou a capacidade das cientistas”, diz Margareth Dalcolmo

Acessibilidade


Fazer ciência pode ser tão prazeroso quanto dançar o mais lindo ballet. A analogia é da pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo, um dos nomes que escolhemos como destaque neste Dia Internacional das Mulheres e Meninas da Ciência. “As grandes bailarinas têm muito prazer no que fazem, mesmo com o pé todo machucado. Para nós, médicos, é mais ou menos assim”, diz a pesquisadora que se tornou conhecida do público por estar quase que diariamente em programas de TV e jornais explicando detalhes sobre o coronavírus, contágio, vacinação. 

Desde o início da pandemia, Dalcolmo se afastou do trabalho por apenas duas semanas, quando contraiu Covid-19. No restante do tempo, se dividiu entre o consultório, laboratórios de pesquisa e aparições na mídia, trazendo informação de qualidade para combater as fake news que se alastravam. “Desconstruir informação má e maliciosa deu muito mais trabalho do que informar.”. 

As mulheres representam 70% da força de trabalho na saúde em todo o mundo, segundo o documento “Um olhar para gênero” do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).  Abaixo, a entrevista com Margareth Dalcolmo e uma seleção de mulheres que estão lutando contra a pandemia no país.

Forbes: As mulheres são a maior parte da força de trabalho da saúde. Como você enxerga a atuação das cientistas antes e depois da pandemia de Covid-19?  

Margareth Dalcolmo: Foram as mulheres que rapidamente fizeram o desvendamento do genoma do SARS-CoV-2 no Brasil. Desde o início, nós todas tivemos uma participação enorme, assistindo pacientes, conduzindo pesquisas e programas de assistência social, dando pareceres, e, muitas vezes, acumulando essas tarefas como as obrigações domésticas. As mulheres ficaram muito sobrecarregadas durante a pandemia e esse peso ficou marcadamente desigual.

F: Você lançou o livro “Um tempo para não esquecer” sobre suas experiências na pandemia. Quais foram as maiores dificuldades? 

MD: Eu acho que todo mundo vai ter uma experiência para contar. Nós vivemos um excesso de luto, saímos com mais cicatrizes, mas talvez com mais confiança no ser humano. A gente aprende a superar as dificuldades porque acho que mulher já nasce superando dificuldades. Ao longo dos últimos anos, mesmo pré-pandemia, nós temos visto as mulheres galgando posições, mas ainda tem que haver igualdade na questão salarial. E acho que a grande capacidade de trabalho e o compromisso nesse período são um grande exemplo para as novas gerações.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

F: Depois de tantas mulheres cientistas despontarem nesse período, você acredita que serão mais valorizadas?

MD: Eu não sou nada pessimista, acho que a pandemia serviu para mostrar a capacidade de trabalho e compromisso das mulheres. Teve uma época em que nós olhávamos os hospitais e era impressionante o número de mulheres, médicas, anestesistas, fisioterapeutas, assistentes sociais, fonoaudiólogas…. Eu espero que isso possa se reverter numa redução da desigualdade, inclusive na maneira como as mulheres são vistas em cargos de mando, porque as mulheres mostraram uma enorme capacidade de liderança durante um período tão difícil.

F: O que você diria para as meninas que querem seguir carreira na ciência? 

MD: Em primeiro lugar, tem que realmente saber o que quer fazer e ter foco. Trabalhar com ciência e com pesquisa exige disciplina, é um compromisso perene. A gente está vivendo num mundo tão cruelmente competitivo que tem pouco lugar para médicos e, sendo mulher, a exigência é ainda maior. Então, tem que superar a questão de gênero e mostrar uma grande capacidade de foco e compromisso com o que se quer fazer.

As cientistas que combatem a pandemia no país

Sue Ann Costa Clemens

Hoje docente da Universidade de Oxford e do Instituto Carlos Chagas, Sue Ann Costa Clemens já contribuiu diretamente para o desenvolvimento das vacinas do rotavírus e do HPV, além de chefiar o comitê científico da Fundação Bill e Melinda Gates na busca por um novo imunizante para a poliomielite. Embora seja conhecida no meio científico há quase duas décadas, ressoou na mídia por conta da atuação na pandemia. Em menos de um ano, Costa Clemens levantou do zero o financiamento para os testes da vacina Oxford/AstraZeneca no Brasil e foi responsável por coordenar os estudos nos seis centros de testagem do imunizante no país.

Ester Sabino e Jaqueline de Jesus

Maria Esther Sabino, imunologista que liderou a equipe que sequenciou o genoma SARS-Cov2

“A pandemia nos forçou a evoluir e, como em todo momento de crise, é deixado um legado de aprendizados em diversos planos para estudos futuros”, comenta Jaqueline Goes de Jesus, biomédica responsável pelo mapeamento do genoma do novo coronavírus no Brasil. A especialista faz parte da equipe 60% feminina, e coordenada pela imunologista e professora da Faculdade de Medicina da USP Ester Sabino (foto), que sequenciou o genoma viral SARS-CoV-2 apenas 24 horas depois do primeiro caso confirmado no país, em 2020. 

VEJA TAMBÉM: Especial Afrofuturo: A ciência pela igualdade

Daniela Santoro

Aos 10 anos, a brasiliense Daniela Santoro acompanhava a rotina de vacinação de sua irmã mais nova e questionava como uma simples gotinha poderia salvar a vida de uma criança. Hoje, imunologista e docente da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Santoro está entre os 30 cientistas brasileiros que trabalham para criar um spray nasal que promete reforçar a imunidade contra a Covid-19.

Soraya Smaili

A farmacêutica Soraya Smaili foi a primeira reitora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), ocupando o cargo entre 2013 e 2021. Durante a pandemia, a professora e pesquisadora com pós-doutorado na área de farmacologia esteve à frente dos testes da vacina da Universidade de Oxford no Brasil. Ela é coordenadora do Sou Ciência, centro de estudos da Unifesp composto por pesquisadores de várias universidades que tem, entre outros objetivos, divulgar informação científica de qualidade para a população.

Meiruze Sousa Freitas 

A farmacêutica Meiruze Sousa Freitas foi aprovada para a diretoria da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no final de 2020, mas já ocupava o cargo desde abril, quando a Covid-19 já estava em solo brasileiro. A agência reguladora, responsável por fiscalizar a produção e consumo de produtos submetidos à vigilância sanitária, teve grande atuação na pandemia. 

Nísia Trindade Lima 

Andrea Marques

Primeira presidente mulher da FioCruz em 120 anos da fundação, Nísia Trindade teve papel essencial na pandemia

Primeira mulher a assumir a presidência da Fiocruz em 120 anos da existência da instituição, Nísia Trindade foi responsável por liderar as ações do órgão no enfrentamento à pandemia. Ela articulou os processos entre o Ministério da Saúde, a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca para a produção da vacina pela Fiocruz e está cumprindo a promessa de expandir o papel da fundação na comunidade global de saúde. 

Natalia Pasternak

Quem esteve atento ao noticiário durante a pandemia, dificilmente não escutou as explicações da microbiologista Natalia Pasternak. Fundadora e presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC) e a primeira brasileira a integrar o Comitê para a Investigação Cética, ela esteve na linha de frente contra a desinformação que rondava o vírus e a saúde em geral nesse período. 

Elizabeth Hernandes e Luciana Vieira

“A guerra tem rosto de mulher”. Esse é o título do artigo das especialistas em políticas públicas e gestão governamental, Elizabeth Hernandes e Luciana Vieira. No trabalho, elas destacam a predominância das mulheres na força de trabalho da saúde durante a crise sanitária no Brasil e no mundo, e analisam as dificuldades enfrentadas por elas nesse período. 

Elizabete Mitsue Pereira

Enfermeira de formação e responsável pelo Hospital da Brasilândia, em São Paulo, que atende exclusivamente pacientes graves de Covid-19 em 115 leitos, Elizabete Mitsue Pereira esteve à frente da implantação do maior hospital de campanha do Brasil, o Hospital de Campanha Anhembi.

Mariângela Simão 

O papel de vice-diretora geral da OMS (Organização Mundial da Saúde) em uma pandemia não é simples. Mariângela Simão foi responsável por garantir o acesso a fármacos e vacinas em pesquisa para países menos favorecidos economicamente, por meio de políticas e acordos de uso equitativo. 

Compartilhe esta publicação: