Mulheres brasileiras na liderança dão mais valor à inclusão do que seus colegas

Fernanda de Almeida
Compartilhe esta publicação:
Luis Alvarez/Getty Images
Luis Alvarez/Getty Images

A maioria das líderes brasileiras considera que a inclusão e a diversidade são essenciais para os negócios

Acessibilidade


Líderes brasileiras se importam mais com a inclusão do que seus pares masculinos. A maioria delas, 64%, considera que grupos mais diversos são essenciais para os negócios, levando em conta que diferentes vozes ampliam o leque de opiniões e ideias em reuniões. Apenas 54% dos líderes homens avaliam essa questão como prioritária. Os dados são de um recorte do levantamento internacional Quality Conversations, feito pela empresa YouGov a pedido da plataforma de análise de dados Tableau

A diferença dos números entre homens e mulheres também se mantém em relação a suas opiniões sobre a importância de permitir que, em uma reunião, todos possam se expressar e colocar suas ideias. O tema tem relevância para 98% das entrevistadas e para 90% dos homens.  

VEJA TAMBÉM: Diversidade, equidade e inclusão nas empresas. Por que isso é importante agora?

Mulheres e dados

A inclusão não é o único assunto que tem mais apreço das líderes brasileiras do que dos homens. Para 64% das brasileiras entrevistadas, o conhecimento de análise de dados é uma das qualidades mais importantes nos negócios; 57% dos homens concordam.

Os dados são relevantes porque ajudam os profissionais a serem ouvidos e levados a sério, dizem 93% das entrevistadas – 81% dos homens estão de acordo. Os dados também são aliados para reduzir as incertezas nos negócios e tomar decisões mais acertadas, segundo 92% das mulheres e 87% dos homens. “Historicamente, nós, mulheres, buscamos estar mais embasadas nos nossos argumentos. Afinal, sempre foi mais complicado provar nossos pontos e sermos ouvidas”, diz Juliana Velozo, vice-presidente regional de vendas da Tableau. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Se elas reconhecem a importância dos dados, é natural que também façam mais uso deles em reuniões – 98% das mulheres enxergam essa ferramenta como critério fundamental para boas resoluções no trabalho, enquanto 89% dos homens compactuam com isso. 

As líderes mulheres se destacam justamente pela capacidade de alinhar dados e fatos para corroborar os seus argumentos. “Geralmente, a gente pensa que a liderança feminina se diferencia pela intuição e a sensibilidade em detrimento de um pensamento mais pragmático, racional e objetivo, mas essas habilidades não são excludentes. Diante das dificuldades enfrentadas no mercado de trabalho, acredito que a gente consiga convergir pragmatismo com a nossa capacidade de cooperação e empatia”, afirma. 

O levantamento Quality Conversations foi realizado em agosto de 2021, com 1977 entrevistas com executivos C-level, sendo 735 mulheres, de organizações de todos os portes. No Brasil, foram 224 entrevistas.

Compartilhe esta publicação: