"Red: Crescer é uma fera", o filme da Pixar dirigido por mulheres e que mostra o caos da adolescência

Forbes esteve com Domee Shi e Lindsey Collins, e conta os bastidores da deliciosa história de Mei e sua mãe, Ming.

Simon Thompson
Compartilhe esta publicação:
Pixar
Pixar

Red: Crescer é uma fera é o mais recente filme dos estúdios Pixar

Acessibilidade


Filmes da Pixar geralmente são considerados inteligentes e transmitem uma mensagem grandiosa, mas esse vai além. Turning Red (ou “Red: Crescer é uma fera”, nas telas brasileiras) não é apenas o mais recente filme de uma longa linha de clássicos que abrem caminhos vitais a novos entendimentos. A alegoria sensível sobre crescer é inspirada em muitas referências.

A animadora sino-canadense Domee Shi faz sua estreia na direção de longas-metragens com a história de uma garota de 13 anos, Mei Lee. Ela é uma adolescente comum, além do fato de se transformar em um panda vermelho gigante sempre que fica muito animada. Há algo que sua mãe, Ming, não explicou.

VEJA TAMBÉM: Filmes e séries inspiradores para empreendedoras

Com a estreia de Red no Disney+, na sexta passada (11) conversamos com Shi, que também participou do roteiro, e com a produtora Lindsey Collins, para discutir sobre a história de amadurecimento que se passa em Toronto e que é caprichada, engraçada e perspicaz.  Confira a entrevista:

Forbes: “Red: Crescer é uma fera” é a história de uma jovem, mas me conectei com ela de mais maneiras do que esperava. Vocês estão surpresas que homens adultos também se sintam atraídos pelo filme?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Domee Shi: Na verdade não.

Lindsey Collins: Estamos mais aliviadas do que surpresas.

DS: Nós fizemos o filme com muitos homens talentosos na equipe, que investiram tanto em Mei e em sua história quanto nós investimos. Muitos dos animadores responsáveis por alguns dos melhores momentos de garotas pré-adolescentes são homens.

LC: Os diretores que fazem parte do nosso banco de talentos, que são produtores executivos deste filme, estavam na sala nos dando notas e feedback; eles estavam comprometidos e investidos desde o início. Em primeiro lugar, acho que tivemos nossa checagem em equipe. À medida que mostramos o trabalho para mais pessoas, foi realmente gratificante vê-las reconhecer a intenção, de que era para ser essa história universal de estranheza e das dificuldades de dinâmica dos pais. Trata-se de criar um filho durante esse período, preservando qualquer que seja o relacionamento e evoluindo. Isso é tão difícil.

Dave J Hogan/Getty Images
Dave J Hogan/Getty Images

Domee Shi e Lindsay Collins na première de “Red: Crescer é uma fera” em Londres

F: Vocês obviamente sabiam o que queriam fazer com o filme. Também sabiam o que não queriam fazer?

LC: Você é a primeira pessoa a fazer essa pergunta.

DS: Para mim, apenas queria ter certeza de que a conclusão do relacionamento de Mei e sua mãe não parecesse muito perfeita; não parecesse muito Hollywood ou muito resolvido. Isso não seria real, porque não paramos de brigar com nossos pais depois de completarmos 13 anos. Também queríamos que fosse satisfatório, como se os personagens passassem por esse crescimento e se entendessem melhor. Esse final exigiu muitas repetições e não se concretizou até o último tratamento.

LC: Acho que a coisa mais importante foi não termos feito tantos cortes, até que o filme parecesse muito seguro ou muito genérico. Queríamos proteger essa voz única que Domee tem e, como cineasta, por meio de nosso processo, que pode ser brutal. Você está vivendo quatro anos de um filme quebrado e de pessoas apontando defeitos nele de todas as maneiras. Você pode imaginar todos esses pontos peculiares e únicos. Acho que isso também era o que certamente queríamos evitar. Acho que sugerimos, provavelmente, três vezes: ‘Por que eles simplesmente não dizem que eu te amo?’ e Domee disse: ‘Nós não fazemos isso na cultura chinesa’.

DS: Nós não dizemos, mas mostramos através de ações, através de gestos de amor. É por isso que cozinhar e comer são tão importantes em muitas famílias asiáticas. Você mostra aquele auto-sacrifício que seus pais fazem por você. Você sente mais do que diz.

VEJA TAMBÉM: Oprah Winfrey é a mulher mais poderosa do entretenimento em 2021

F: Estamos falando de relacionamentos, e um relacionamento mãe-filha está no centro de Red. Vocês trabalharam juntas por quatro anos, então como vocês se encontraram nesse relacionamento?

DS: Isso evoluiu, mas acho que naturalmente assumimos papéis do tipo Mei e Ming. Mas também, ao escrever a história, senti que  inicialmente a mãe, Ming, era um pouco mais arqueada, mais unidimensional e meio que uma vilã. Ter Lindsay como mãe de adolescentes me pressionou por essa nuance e compreensão de Ming, e isso fez o filme parecer mais rico em retratar os dois lados de forma mais igual.

LC: Houve um momento em que sentimos uma à outra e eu me esforcei para não ser forte. Era como, ‘Deixe-me ir até você, garota.’ Então Domee foi um pouco rebelde e ficou tipo, ‘Por que estamos fazendo dessa maneira?’. Acho que isso durou, provavelmente, alguns meses, aconteceu durante a primeira etapa, e ela fez muitas perguntas. Domee era ótima em fazer um monte de perguntas, algumas das quais eu estava tipo, ‘Oh, eu não sei, na verdade’, e então havia outras onde eu poderia explicar por que faríamos as coisas de uma certa maneira. Tinha que ser muito melhor em explicar o meu pensamento sobre por que eu faço as coisas. Trabalhei com um diretor por muito tempo e tinha que parar ocasionalmente e perguntar: ‘Por que estou fazendo isso? Preciso mudar isso porque este é um diretor muito diferente de mim?” Com o tempo, acho que chegamos a um lugar muito bom, onde havia uma tremenda confiança e respeito, honestamente, e a parte da intimidação se dissolveu.

F: Há uma visão de mundo de vocês em “Red: Crescer é uma fera” e o final é muito evidente nesse aspecto. Tive a sensação de que existem outras histórias como essa para serem contadas, talvez em outros países e culturas e com crianças diferentes. Este é o início de uma nova franquia ou uma série?

LC: Isso é interessante.

DS: Isso seria legal.

LC: Domee gosta disso. Ela está ansiosa para dizer ‘Sim!’ e não está cansada desse tema.

DS: Talvez o multiverso de Red ou o universo cinematográfico do filme. Estou aberta a isso, com certeza. Adoro histórias de transformação e adoro drama familiar.

LC: Você poderia seguir Tyler para casa depois do show, e ele apenas senta em seu quarto e então, Poof! e muda para outra coisa, e você fica tipo, ‘Espere um minuto.’

DS: Isso seria ótimo. Não sei. Estamos abertas a isso.

Compartilhe esta publicação: