Minha jornada: "Mudei de país com bebê de colo para assumir cargo sênior"

Fernanda Fantini, que lidera 270 pessoas, começou a carreira internacional na Alemanha, migrou para os Estados Unidos e hoje é VP da Alcon .

Fabiana Corrêa
Compartilhe esta publicação:

Fernanda Fantini, VP da Alcon Vision Care, fez carreira na Alemanha e foi promovida quando voltou da licença-maternidade. Hoje mora nos Estados Unidos

Acessibilidade


Quando era gerente de projetos, Fernanda Fantini, hoje vice-presidente da Alcon Vision Care para América Latina, tomou uma decisão que definiu os rumos de sua carreira. Ela havia chegado na Alemanha havia 10 meses, aos 25 anos, sem conhecer uma palavra do idioma local. Confiante na dedicação com que havia estudado nesse período, no entanto, resolveu fazer a apresentação de seu projeto na língua da plateia. Por quase uma hora, falou em alemão para toda a força de vendas da empresa e, ao final, foi aplaudida de pé. “Geralmente os alemães batem na mesa ao final de uma palestra, mas naquele dia eles levantaram e acredito que foi para mostrar que estavam reconhecendo o meu esforço. E aí eu percebi que dedicação dava frutos.” 

Talvez por causa das palmas, talvez pelo reconhecimento que veio mais cedo do que esperava, ou ainda por conta de um rapaz que ela conheceu por lá, Fernanda não voltou ao Brasil dois anos depois como planejado. Morou na Alemanha entre 2003 e 2008 e, quando voltou de sua licença-maternidade, recebeu a proposta para ocupar um cargo sênior nos Estados Unidos. Nesse período, a Ciba Vision, empresa que a levou para a Alemanha, se transformou em parte do grupo farmacêutico Novartis e comprou a Alcon, outra empresa da área de oftalmologia.

Enquanto dirigia para casa, pensava em como daria a notícia ao marido. Se lembrou, então, do pedido de casamento. “Quando ele me perguntou se eu queria casar com ele, fui logo avisando que não sabia se queria passar a vida no país dele e a resposta foi: ‘eu vou com você a qualquer lugar'”. E foi assim que, com um bebê de cinco meses no colo, os dois se mudaram para Atlanta, onde Fernanda deu mais um passo em sua carreira.

VEJA TAMBÉM: Minha jornada: “Uso meu conhecimento de empreendedora na carreira executiva”

Maternidade e carreira

O marido havia deixado o cargo que ocupava em um banco alemão e não se recolocou de imediato nos Estados Unidos. A pausa foi providencial para que o bebê, hoje com 14 anos, recebesse os cuidados necessários enquanto a família – e Fernanda – se adaptava às mudanças. “Um alemão que se casa com uma brasileira já se mostra uma pessoa flexível e esse apoio foi essencial para minha carreira.”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Dois anos depois, os três se mudaram para Dallas, onde ela assumiu a diretoria global de marketing e, em 2020, aos 44 anos, assumiu o cargo atual na Alcon. Hoje, aos 46 anos, Fernanda é responsável por liderar um grupo de 300 pessoas em diversos países e viaja o mundo para fazer seu trabalho.

Na Alcon, quase 50% das lideranças são femininas e Fernanda pode encontrar, em outras mulheres que passaram pela mesma situação, como mães e expatriadas, o apoio para conciliar maternidade e carreira. Não foi fácil com todas as mudanças e um expediente de 14h diárias. Mas hoje é melhor. “Nos tempos de Ciba, a empresa tinha muito mais homens na liderança e as mulheres eram exceção. Hoje, minha chefe é uma mulher e isso me dá muita força porque sei que temos esse espaço. É só olhar para frente.”

LEIA MAIS: Como ser mãe pode torná-la uma profissional melhor

Meu primeiro cargo de liderança

“Group Brand Manager da Ciba Vision na Alemanha.”

Turning point da carreira

“Foi a mudança para a Alemanha para trabalhar na Ciba Vision. Quando decidi investir tudo em aprender alemão e passei a falar na língua nativa dos meus colegas, o que mostrou a eles que eu estava me esforçando para me adaptar. Passei a ser valorizada e respeitada por isso.”

Quem me ajudou

“Minha família, que sempre me apoiou e me deu muita força em todos os momentos: meu marido, que interrompeu a carreira na Alemanha para me acompanhar nos EUA, e minha mãe e irmã, que me incentivaram desde o início, pois meu pai faleceu quando estava começando minha trajetória profissional.”

O que ainda quero fazer…

“Quero continuar conhecendo o mundo e explorando novas culturas, indo até todos os continentes. Me falta um, que é a Antártida”.

Minha formação

“Administração de empresas pela FAAP e especialização em marketing pela BAW (Bayerische Akademie fuer Werburg und Marketing) de Munique, na Alemanha.”

Compartilhe esta publicação: