Jill Tiefenthaler, a primeira mulher CEO do National Geographic

Primeira executiva a ocupar o cargo de liderança em 134 anos de história da sociedade, Tiefenthaler vem promovendo o avanço da diversidade.

Marianne Schnall
Compartilhe esta publicação:

A CEO da National Geographic, sociedade criada no Reino Unido que tem uma equipe sênior 60% feminina

Acessibilidade


Em 2020, a National Geographic Society nomeou Jill Tiefenthaler como CEO. Ela foi a primeira mulher a ocupar esse cargo nos 134 anos de história da organização.  Isso representou um novo caminho para as mulheres e outras vozes sub-representadas.

Tiefenthaler, que antes de desembarcar na Nat Geo teve uma carreira de sucesso em economia e universidades (foi reitora da Wake Forest University e teve um mandato de nove anos como presidente do Colorado College), tem um  compromisso com o avanço da diversidade, equidade e inclusão (DEI).

Essa dedicação em acelerar os ponteiros da diversidade significa que a próxima geração de exploradores da National Geographic estará mais diversificada do que nunca. A rede trabalha, atualmente, para apoiar e elevar o trabalho e as vozes de negros e indígenas. Além disso, a National Geographic anunciou em janeiro que alcançou paridade de gênero em seu conselho de administração. 60% da equipe sênior de Tiefenthaler são mulheres. Tive a oportunidade de falar sobre seus planos futuros para o Nat Geo, seus insights e conselhos de liderança, além das maneiras pelas quais ter diversas vozes e perspectivas de todo o mundo ajuda o canal a alcançar sua missão de “iluminar e proteger a maravilha do nosso mundo”.

Leia também: 5 dicas de networking para mulheres por quem entende do assunto

Marianne Schnall: Que papel ou propósito você vê na National Geographic Society?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Jill Tiefenthaler: Temos uma organização voltada para uma grande missão: iluminar e proteger a maravilha do nosso mundo. Fazemos isso de algumas maneiras. Primeiro, nossa teoria para a mudança é que sempre fomos baseados na ciência e temos sido capazes de contribuir com o avanço do conhecimento. Em seguida, encontrar formas de disseminá-lo compartilhá-lo com o mundo. E então, é claro, também em nossa missão está a proteção. Atuamos também na educação, mas os programas de conservação é que têm um impacto maior. E isso realmente torna a National Geographic uma organização única porque não são muitas as que chegam aos seus resultados. Com o mundo enfrentando a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas, essa missão de proteção nunca foi tão importante. E com alguns dos desafios para a ciência nos últimos anos, ter uma marca confiável como a National Geographic por aí para manter os fatos e a tomada de decisão na vanguarda é outra grande parte da nossa missão. Então, é aí que eu acho que podemos realmente fazer a diferença. E acho que uma das coisas que nos torna realmente especiais é que fazemos isso através de uma comunidade internacional de exploradores, cientistas, educadores, contadores de histórias e conservacionistas, pessoas incrivelmente talentosas. Nós temos cerca de 6 mil deles que foram financiados pela Society ao longo dos anos em torno do globo em mais de 120 países. Eu acho que todos eles juntos mostram para onde estamos indo. Esse alcance global realmente é nossa missão. Queremos trazer uma variedade de vozes à tona.

MS: Você pode compartilhar um pouco sobre alguns desses exploradores e o trabalho que eles fazem?

JT: Rosa Vásquez Espinoza é uma bióloga peruana. Ela estuda as abelhas sem ferrão da Amazônia e seu mel especial. E ela também fez alguns trabalhos no rio Amazonas. Nós apoiamos o trabalho dela e a ajudamos a compartilhá-lo para que possamos aprender sobre a importância de proteger aquela região. Outro exemplo que destacamos em fevereiro foi a Tara Roberts. Tivemos um ótimo podcast com ela, e ela estava na capa da revista Nat Geo. Ela está seguindo um grupo de negros mergulhadores, historiadores e arqueólogos enquanto procuram e ajudam a documentar os naufrágios do tráfico de escravos em todo o mundo.

MS: Você quebrou um teto de vidro sendo a primeira mulher CEO da National Geographic em seus 134 anos de existência. Como você se sente sobre isso?

JT: Demorou bastante. É uma grande honra ser a primeira mulher CEO, mas também é uma responsabilidade. Eu sei por experiência própria que essa representatividade importa. Acho que o significado para a Nat Geo Society de que estou nesta cadeira é que estamos realmente caminhando para um lugar muito mais inclusivo. Ficamos muito empolgados e anunciamos em janeiro que alcançamos a paridade de gênero em nosso conselho de administração, o que é uma grande mudança. E agora metade de nossas bolsas vão para mulheres, cerca de 60% dos meus estudos em equipe são com mulheres, e também estamos trabalhando muito em outras áreas de inclusão. Eu acho que para a Nat Geo, a questão da diversidade é importante, mas também é muito sobre nossa excelência e sobre trazer as melhores vozes e os melhores talentos para a organização. Então, outro grande passo para nós aqui é que acabamos de contratar nossa primeira diretora de diversidade, equidade e inclusão, Shannon Bartlett. Ela e sua equipe estão trabalhando duro com nossos e garantindo que temos o melhor em todo o mundo, mas também fazem  isso no local de trabalho para garantir que temos um espaço inclusivo neste momento em que trazemos as pessoas de volta ao escritório.

Leia também: Mulheres na liderança geram mais riqueza, diz CEO de empresa global de RH

MS: A National Geographic lançou recentemente sua primeira declaração de diversidade, que gira em torno do princípio “sua história importa”. Você pode explicar o que isso significa na prática?

JT: Parte de um espaço de trabalho inclusivo é criar um lugar onde as pessoas possam fazer o seu melhor trabalho e trazer toda a sua essência. Nós acreditamos que o que nos torna mais fortes é a diversidade de histórias de vida das pessoas, não apenas do nosso local de trabalho. Então trabalhamos muito para que as pessoas compartilhassem suas histórias. Honrá-las e fazer com que se sintam à vontade no trabalho é como chegamos ao ambiente inclusivo que queremos.

MS: Como você acha que a Nat Geo Society mudou e continuará a mudar sob a liderança das mulheres?

JT: Temos uma história maravilhosa de 134 anos, mas também complicada em algumas partes de que não nos orgulhamos tanto. Éramos uma organização que tinha um passado colonial. Muito de nossa história foi feita pelo explorador branco que “descobriu” lugares que na verdade foram descobertos por muitos outros antes deles. Então, como podemos contar com esse passado em direção a um futuro em que não apenas estamos trazendo a representação das mulheres o que nem sempre tivemos no passado, mas em que também queremos aumentar a diversidade étnica e cultural de nossos exploradores? Estamos tentando fazer muito mais. Cerca de 60% dos nossos explorers são de fora dos Estados Unidos. Temos um novo grupo de jornalistas de todas as partes do mundo a quem podemos recorrer para todos os tipos de projetos. Essa capacidade de se afastar da ciência sob a ótica do homem branco é uma maneira de promover a diversidade. Noel Kok, que dirige nosso grupo de filmagem da vida selvagem africana, disse isso de uma excelente maneira: “Se você quer mudar a história, você precisa mudar o contador de histórias”. 

MS: Como você descreveria seu estilo de liderança pessoal e o que você aprendeu sobre liderança ao longo de sua carreira?

JT: Eu gosto de pensar que sou uma ouvinte e tento ouvir atentamente. Quando comecei como reitora de faculdade há mais de uma década, chamei meu primeiro ano de “year of listening”. Ouvi todos os meus eleitores e depois dei um feedback a eles antes de pensarmos sobre o nosso próximo passo. Fiz a mesma coisa quando cheguei na National Geographic. Ouvi muito e escrevi um documento de volta à comunidade. Usamos esse documento como base para nosso planejamento estratégico. Mas ouvir nunca é uma tarefa que acaba, você não pode retirá-la da lista. Eu diria que a combinação de escuta e inclusão, mas também estar disposto a liderar e tomar decisões quando necessário. Vamos tentar algumas coisas, descobrir o que funciona e o que não funciona, continuar o diálogo e depois trabalhar para acertar.

MS: Que conselho você daria para mulheres líderes ou para mulheres que aspiram ser líderes?

JT: Primeiro, eu sempre diria que acho que muito da minha liderança é construída sobre a observação de outros líderes. Trabalhei para muitos presidentes diferentes no departamento de reitores e sempre tentei observar e pensar sobre quais eram seus pontos fortes. Infelizmente, alguns de nós têm que trabalhar para líderes que cometem erros, então também é bom aprender com os erros dos outros quando você pode. A outra coisa é se deixar ser orientado por outras pessoas boas. Eu sempre me senti muito sortuda por ter ótimos mentores em minha vida, homens e mulheres que foram úteis para mim em minha carreira. Mas ter grandes mentores significa estar disposto a ser um mentorado, a realmente respeitar suas experiências e sabedoria e investir tempo nos relacionamentos e ouvir as críticas, bem como os elogios. Portanto, seja um mentor quando puder: encontre aqueles que podem realmente se beneficiar do seu apoio e dê-lhes liberdade para agir delegando e capacitando, mas também não tenha medo de fornecer muitos bons comentários. Eu tive sorte de trabalhar com Maya Angelou quando eu estava em Wake Forest. Ela era professora quando eu era reitora. Eu sempre amei suas citações, e uma das minhas favoritas foi: “Um líder vê grandeza nos outros. Você não pode ser um grande líder se tudo o que você vê é você mesma.”

MS: O avanço da liderança feminina é lento. O que você acha que será necessário para realmente criar um mundo mais justo?

JT: Compromisso. Mulheres e homens têm que se comprometer com a representatividade em todos os níveis. Temos muitas evidências de que as equipes são melhores quando são diversificadas. As melhores ideias surgem quando você tem uma comunidade diversa. Estou convencida de que, à medida que as lideranças se diversificam, as organizações vão para o topo e levarão outras empresas junto com elas. 

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: