B2Mamy lança rede social para conectar e desenvolver mulheres e mães  

Em parceria com a autora Thais Vilarinho, a B2Mamy lança uma nova versão do app "Mãe Fora da Caixa", em que mulheres podem se capacitar e trocar experiências

Fernanda de Almeida
Compartilhe esta publicação:

Dani Junco e Thaís Vilarinho, parceiras no lançamento da nova versão do app “Mãe Fora da Caixa”

Acessibilidade


De uma necessidade da fundadora Dani Junco, nasceu, há seis anos, a B2Mamy, hub de inovação focado em tornar mães e mulheres líderes. Hoje, ela tem 50 mil inscritas em sua plataforma digital, um espaço presencial por onde já passaram 6 mil mulheres, 300 startups fundadas com o seu auxílio e continua sua expansão. A empresa acaba de anunciar a nova versão do aplicativo “Mãe Fora da Caixa”, desenvolvido em parceria com a autora Thaís Vilarinho. Ela criou uma plataforma para conectar mulheres e pediu a ajuda de Dani, que levou a sua comunidade de mães. 

A nova versão funciona como uma rede social em que as mulheres trocam experiências e debatem todos os assuntos que atravessam suas vidas, do trabalho à maternidade. “Se conectar é muito feminino. A B2Mamy deu a plataforma, mas essas conexões e a troca de informações são intrínsecas à maternidade”, diz Dani Junco.

O “Mãe fora da Caixa” agora também oferece conteúdos de capacitação e profissionalização de mulheres em inovação, empreendedorismo e tecnologia. Além disso, recentemente foi anunciada a criação do programa ElaInvestidora, em parceria com a plataforma de investimento Sproutfi. Por meio dele, serão promovidas palestras e rodas de conversas online e presenciais na Casa B2Mamy, em São Paulo.

Leia também: Executivas contam o aprendizado da maternidade que levaram para a carreira

História da B2Mamy

Em 2015, grávida de sete meses, Dani Junco entrava no LinkedIn e não se identificava com nada do que via lá. “Era todo mundo fingindo ser feliz. Ninguém falava de família.” Nas outras redes sociais, seguia mulheres que falavam sobre maternidade e amamentação. “Eu queria um lugar onde eu pudesse ser eu mesma: executiva e mãe.” Como não se encaixava em nenhum grupo, Dani criou o seu próprio. “Tem alguém aí perdida e confusa em equilibrar a maternidade e a vida profissional? Vamos tomar um café?”, ela publicou, e surgiram 80 mulheres interessadas e com dores parecidas. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Foi aí que nasceu a B2Mamy, em 2016, como uma aceleradora de negócios de mulheres. A empresa foi incubada pelo programa Google for Startups e, em 2019, as marcas começaram a comprar seus programas de educação e aceleração. 

A empresa cresceu e Dani sentia que as mulheres precisavam de um espaço. “Existem mais espaços pet friendly no Brasil do que baby friendly. Os cachorros são bem-vindos, as crianças não.” 

Em 40 dias, ela levantou R$ 200 mil por meio de crowdfunding e fundou, em 2019, a Casa B2Mamy, um espaço de coworking family friend. “Muita gente foi contra criar um espaço presencial nesse momento em que muita coisa é online. Mas quando você chega lá e tem 60 mulheres, trabalhando, conversando,  juntas, é muito potente.” A Casa B2Mamy serve, segundo ela, como um terceiro lugar, um espaço seguro que não é nem a sua casa nem o trabalho. 

Em 2021, a B2Mamy foi eleita hub de inovação do ano pelo Startup Awards, principal premiação de inovação do Brasil.

A empresa também lançou um programa de capacitação e empregabilidade de mulheres da periferia, o Womby, que Dani ainda tem planos para expandir. E, em breve, ela deve anunciar uma parceria com o Minecraft para criar o primeiro ambiente seguro dentro do videogame para crianças, filhos das mães do B2Mamy. 

>> Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: