Google abandona ferramenta da Apple que rastreia navegação de usuários do iPhone

Medida foi informada pouco antes da empresa dos smartphones começar a aplicar novas regras de transparência de rastreamento

Redação
Compartilhe esta publicação:
Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Decisão do Google de desuso da funcionalidade da Apple foi anunciada pela Alphabet

Acessibilidade


Os aplicativos do Google para iPhone, como o Maps e o YouTube, deixarão de usar uma ferramenta da Apple que permite a personalização de anúncios, evitando uma notificação da Apple que informa aos usuários que sua navegação está sendo rastreada.

A medida foi informada em publicação no blog da Alphabet hoje (27), pouco antes de a Apple começar a aplicar novas regras de transparência de rastreamento.

LEIA TAMBÉM: Google completa aquisição da Fitbit por US$ 2,1 bi

A Apple há anos fornece aos aplicativos um identificador exclusivo, conhecido como IDFA, para ajudá-los a conectar o mesmo usuário em vários programas. O código pode ser essencial para determinar a quem exibir um anúncio e rastrear se isso os levou a fazer uma compra.

Mas a Apple disse que exigirá que os aplicativos informem os usuários por meio de uma mensagem pop-up para obter seu consentimento para acessar seu IDFA.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Facebook e outros desenvolvedores de aplicativos estão preocupados que o aviso possa desencorajar os usuários de concordar com o rastreamento e prejudicar as vendas de anúncios.

Como os usuários dos aplicativos do Google normalmente estão logados, ele tem uma alternativa de rastreamento ao IDFA e, como tal, seu negócio principal de publicidade provavelmente não seria afetado pelas mudanças da Apple.

Mas a empresa alertou em seu blog que editoras e anunciantes que contam com seu software de anúncios para dispositivos móveis terão resultados mais fracos sem acesso ao IDFA.

Embora o Google esteja desenvolvendo alternativas para clientes, elas podem não estar prontas imediatamente, disse.

O Google acrescentou que os clientes podem usar seu software independentemente de mostrarem o pop-up e obterem o consentimento necessário, e não está fazendo recomendações sobre o que devem fazer.

A Apple não foi encontrada para comentar o assunto. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: