Presidente do Parler diz que rede social pode não voltar mais para o ar

Executivo revelou, ainda, que várias outras empresas têm se recusado a fazer negócios com ele.

Redação
Compartilhe esta publicação:
 Pavlo Gonchar/Getty Images
Pavlo Gonchar/Getty Images

Parler sofre com instabilidade após ser suspenso pela Amazon.com e banido da App Store

Acessibilidade


A plataforma de mídia social Parler, que saiu do ar depois que a Amazon.com parou de hospedar o site acusado de ser usado por simpatizantes de Donald Trump e por integrantes dos grupos que invadiram o Capitólio na semana passada, pode não voltar mais, disse o presidente-executivo da empresa, John Matze.

Muitos fornecedores de serviços para a rede social cortaram relações com o Parler, onde o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos mantêm contas, após a violência registrada em Washington na semana passada, disse Matze.

LEIA MAIS: O que é o Parler e por que saiu do ar

“Pode ser nunca”, disse ele se referindo a quando a rede social poderia voltar a operar. “Não sabemos ainda.”

A rede social informou em um processo judicial que tem mais de 12 milhões de usuários. Matze disse que o Parler estava falando com mais de um provedor de serviços de computação em nuvem, mas se recusou a divulgar nomes, citando probabilidade de assédio para as empresas envolvidas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo o executivo, a melhor coisa seria se Parler pudesse voltar pela Amazon. A rede social abriu na segunda-feira (11) uma ação contra a Amazon, classificada pela companhia como sem mérito. “É difícil saber quantas empresas estão dizendo que não podem mais fazer negócios conosco”, disse Matze, acrescentando que o Parler está considerando processar outros fornecedores. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: