Intel e PrograMaria lançam projeto para capacitar pessoas trans e mulheres negras em tecnologia

Ao longo de 2021, as empresas promoverão debates, rodas de conversa, mentorias e curso de introdução à programação front-end.

Gabriela Del Carmen
Compartilhe esta publicação:
Bruna Sousa/Divulgação
Bruna Sousa/Divulgação

Barbara Toledo, gerente de consumo e varejo da Intel Brasil, e Iana Chan, fundadora da PrograMaria, já impactaram mais de 4.500 mulheres da área

Acessibilidade


Com a missão de formar e engajar grupos minoritários e aumentar a diversidade nas áreas de tecnologia, a Intel e o negócio de impacto social PrograMaria anunciaram, com exclusividade à Forbes Brasil, o lançamento da iniciativa #MaisDiversidadeNaTecnologia. O projeto busca capacitar e trazer mais mulheres negras e pessoas trans e travestis para o setor. Ao longo de 2021, serão oferecidas palestras educativas e 100% gratuitas sobre transição de carreira, painéis sobre afrofuturismo e como incluir esses grupos na indústria.

Além da parte teórica, serão distribuídas cerca de 400 bolsas de estudo para a nova edição do curso online Eu ProgrAmo, de introdução à programação front-end. Desenvolvido para servir como a porta de entrada para a jornada na tecnologia, as aulas apresentam os conceitos iniciais em HTML, CSS, JavaScript e lógicas de programação, além de dicas de carreira em tecnologia. Os alunos matriculados no curso também receberão suporte por meio de rodadas de mentorias com líderes da Intel para compartilharem suas experiências profissionais.

LEIA TAMBÉM: EDP e Instituto das Pretas se unem para promover o empreendedorismo periférico

“Hoje o maior desafio das empresas é inovar. E a diversidade é, com certeza, um motor de inovação. A gente vive um momento positivo, uma vez que as empresas perceberam que precisam se mover e fazer parte da solução”, afirma Iana Chan, fundadora da PrograMaria. “A gente quer que cada vez mais pessoas diversas possam fazer parte dessa construção. Estamos falando do propósito de construir uma tecnologia que seja, de fato, diversa e inclusiva para ‘todes’”, completa.

Essa não é a primeira vez que as empresas colaboram. Parceiras desde 2016, elas já impactaram mais de 4.500 mulheres por meio de projetos como o Mais Mulheres na Tecnologia e o Mulheres Podem, que discutem e reforçam a presença feminina no setor. “É importante tratar o tema diversidade, e ainda mais importante tratar o tema inclusão. Não adianta eu encontrar o profissional para a minha empresa se o ambiente dela não a acolhe. Esse tipo de iniciativa é extremamente estratégico, não só em termos de resultado, mas também para a indústria como um todo”, diz Barbara Toledo, gerente de consumo e varejo da Intel Brasil.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A fim de pautar o debate sobre a inclusão de pessoas trans e travestis, a iniciativa contará ainda com a consultoria da TransEmpregos, o mais antigo projeto de empregabilidade de profissionais trans do Brasil. Idealizada por Maite Schneider, a plataforma conecta a população transgênera a vagas e companhias que querem investir em diversidade. Para participar dos encontros e palestras ao longo do ano, também estão confirmados nomes como Reinaldo Bulgarelli, secretário executivo do fórum de empresas e direitos LGBTI+, Melissa Cassimiro, consultora da Accenture, e Carolina Gutierrez Prado, head de comunicação na Intel Brasil e Canadá.

As inscrições para o curso Eu ProgrAmo e para o primeiro painel de debates do ano já estão abertas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: