Telesat enfrenta Musk e Bezos em corrida espacial para banda larga rápida

Pool/GettyImages
Pool/GettyImages

SpaceX e Amazon prometem gastar cerca US$ 10 bilhões em satélites otimizados para o mercado consumidor

A canadense Telesat lançará uma constelação de satélites de baixa órbita terrestre (LEO, na sigla em inglês) para fornecer banda larga global de alta velocidade a partir do espaço. Isso coloca a empresa de comunicações por satélite fundada em 1969 contra dois bilionários pioneiros, Elon Musk e Jeff Bezos.

Musk, o presidente da Tesla que tinha apenas um ano de idade quando a Telesat lançou seu primeiro satélite, está colocando o Starlink LEO em órbita com sua empresa SpaceX. E a Amazon, fundada por Bezos, planeja um LEO chamado Project Kuiper. Bezos também é dono da Blue Origin, empresa que fabrica foguetes.

Elon Musk diz que SpaceX vai pousar foguetes Starship em Marte bem antes de 2030

Apesar da competição, Dan Goldberg, presidente da Telesat, mostra confiança ao chamar a constelação LEO da empresa de “o Santo Graal” para seus acionistas – “uma vantagem competitiva sustentável no fornecimento de banda larga global.”

O LEO da Telesat será bem mais barato que os de SpaceX e Amazon, estima-se que custe metade dos projetos de 10 bilhões das concorrentes, e a Telesat está na área de serviços de satélite há décadas. Além disso, em vez de focar no mercado consumidor como fazem SpaceX e Amazon, a canadense busca clientes empresariais com bastante recursos.

Os 15 satélites geoestacionários (GEO) da Telesat fornecem serviços principalmente para emissoras de TV, provedores de internet e redes governamentais, todos cada vez mais preocupados com a latência, ou atraso de tempo, de sinais refletidos de satélites a mais de 35 mil quilômetros acima terra.

Em 2015, voltando de uma conferência da indústria em Paris, onde o atraso foi tema frequente, Goldberg escreveu suas ideias para os satélites em um guardanapo. Essas ideias depois levaram à constelação LEO da Telesat, apelidada de Lightspeed, que orbitará cerca de 35 vezes mais perto da Terra do que os satélites GEO da empresa e fornecerá conectividade com a internet a uma velocidade semelhante à da fibra óptica.

O primeiro lançamento da Telesat está planejado para o início de 2023, quando já existirão cerca de 1.200 satélites Starlink de Musk em órbita. “O Starlink estará em serviço muito antes…e isso dá à SpaceX a oportunidade de conquistar clientes”, disse Caleb Henry, analista da Quilty Analytics.

Mas a vantagem do “pioneiro” Starlink é de no máximo 24 meses e, segundo Goldberd, “ninguém vai ocupar todo esse mercado nesse período de tempo”.

A Telesat pretende lançar seu primeiro lote de 298 satélites, que serão construídos pela Thales Alenia Space no início de 2023, com serviço parcial em latitudes mais altas no mesmo ano, e serviço global completo em 2024.

O analista Henry disse que o foco da Telesat em clientes empresariais é certeiro.

“Você tem dois concorrentes de peso, SpaceX e Amazon, que prometem gastar US$ 10 bilhões em satélites otimizados para o mercado consumidor”, disse ele. “Se a Telesat pode gastar metade dessa quantia criando um sistema de alto desempenho para empresas, então sim, eles podem ser muito competitivos.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).