Selfies com carteira de vacinação em mãos podem facilitar ataques cibernéticos personalizados

 Wang Yukun/Getty Images
Wang Yukun/Getty Images

O risco ocorre porque, nas selfies que mostram a carteira de vacinação, dados como nome completo, CPF, local de vacinação e até a assinatura do profissional que aplicou o imunizante ficam visíveis

O avanço da vacinação no Brasil tem sido marcado por fotos da carteira de vacinação estampadas nas redes sociais dos contemplados. O ato, que retrata a alegria do momento, pode parecer inofensivo, mas não é bem assim. Expor informações pessoais é como fornecer combustível para ataques cibernéticos personalizados.

O risco ocorre porque, nas selfies que mostram a carteira de vacinação, dados como nome completo, CPF, número do SUS, local de vacinação e até a assinatura do profissional que aplicou o imunizante ficam visíveis. Já os dados biométricos, como impressões digitais, reconhecimento facial e varreduras de retina, entre outros, são, muitas vezes, utilizados para acessar smartphones, tablets e computadores, além de contas bancárias e serviços como a migração.

LEIA TAMBÉM: Casa Branca finaliza alocação de 80 milhões de vacinas contra Covid-19 ao exterior, parte virá ao Brasil

“Apesar de existirem muitos fatores para impedir que nossa impressão digital, por exemplo, seja capturada a partir de uma selfie, as câmeras dos celulares atuais estão ficando cada vez melhores e não há razão para arriscar. Embora possa parecer algo saído de um filme de ficção científica, se a imagem for nítida, é possível que os cibercriminosos façam uso desta informação”, adverte Fabio Assolini, analista sênior de cibersegurança da Kaspersky.

Ao expor documentos e dados biométricos nas redes sociais, os usuários abrem espaço, involuntariamente, para que pessoas mal intencionadas roubem suas informações pessoais. Nesse sentido, a empresa alerta para a necessidade de modificar certos comportamentos online, que colocam em risco a privacidade e as informações dos usuários.

Cerca de 19% dos usuários da internet na América Latina se arrependem de, um dia, ter postado algo que continha informações pessoais relacionadas, entre outras coisas, à sua localização, família ou trabalho, segundo uma pesquisa da Kaspersky, especializada na produção de softwares de segurança para a internet, sobre os hábitos online dos usuários. A companhia aponta, ainda, que 40% dos brasileiros acreditam que seus familiares compartilham informações pessoais demais nas redes sociais.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).