Pedro Scooby é o novo sócio da Visto.bio, startup que criou um super desodorante

Empresa de biotecnologia desenvolveu um protocolo contra o mau odor .

Gabriela Del Carmen
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

O surfista Pedro Scooby entrou para o time de sócios da Visto.bio para impulsionar o negócio e divulgar a marca entre seus mais de 1,9 milhão de seguidores no Instagram

Acessibilidade


Aos 32 anos, Pedro Scooby é um dos principais atletas de ondas grandes e freesurf da atualidade, vencedor com a melhor onda da competição Gigantes de Nazaré, em 2019. Após tornar-se embaixador da marca de acessórios Sal, Água e Alma e liderar algumas produções do Canal Off, o carioca está expandindo seu foco em novos negócios com um mergulho na onda das startups. A nova empreitada do atleta é a Visto.bio, e-commerce de biotecnologia, pesquisa e desenvolvimento.

Fundada em 2014 por Renan Serrano, a empresa desenvolve soluções que prometem combater o mau cheiro do suor, eliminar o uso de desodorantes e, ainda, proteger contra o novo coronavírus. “Cerca de 97% da população usa desodorante, mas 95% dela está insatisfeita, pois não encontra produtos que realmente funcionem. A maioria das opções do mercado foca apenas na consequência, ou seja, em eliminar o odor. No entanto, temos que solucionar a causa do problema para que ele não volte a se repetir. O que a Visto.bio faz é regenerar e fortalecer a própria pele”, explica Serrano.

LEIA TAMBÉM: Startup de biotecnologia desenvolve medicamentos com inteligência artificial

Scooby decidiu testar a solução Adeus Desodorante por conta própria, e afirma que se surpreendeu com o resultado. “Nossa sociedade pensa em produtos que criem uma dependência nas pessoas, para que elas continuem comprando. Nesse caso, usei o produto uma vez e não precisei consumi-lo novamente durante meses”, conta o surfista.

No início do ano, enquanto viajava pela Indonésia, o atleta voltou a sofrer com o odor na região das axilas após vestir uma camiseta emprestada de um amigo. Segundo Serrano, o fenômeno, conhecido como contaminação cruzada, é mais comum do que imaginamos. Ao que tudo indica, a roupa já estava contaminada com bactérias responsáveis pelo mau cheiro e foram transferidas acidentalmente para o organismo de Scooby.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Após esse episódio, o atleta comentou nas redes sociais sobre a experiência com o produto e a falta que ele estava fazendo durante a viagem. A familiaridade com a marca fez com que não demorasse até que Scooby entrasse para o time de sócios da startup, com um investimento inicial – não divulgado – para acelerar os negócios. “Mais do que a parte financeira, acredito que eu possa aumentar o alcance”, considera o atleta, que passa a assumir a frente de divulgação da marca entre seus mais de 1,9 milhão de seguidores no Instagram.

Para dar adeus definitivo aos desodorantes tradicionais, a startup oferece dois sprays, original e antisséptico, vendidos juntos por R$ 174. A aplicação isolada dos produtos não garante a eliminação dos odores – há um protocolo de varia de um a três meses de duração, dependendo do organismo de cada pessoa. O processo envolve consultas gratuitas com os especialistas da companhia, uso de sabonetes de glicerina vegetal, hidratação das axilas e manutenção contínua dos cuidados de higienização.

Além da linha Adeus Desodorante, a Visto.bio desenvolveu também uma solução anti-covid. O produto age como um álcool em gel – sem o álcool -, para proteger o organismo contra o vírus com a mesma eficiência de seu principal concorrente, mas sem o ressecamento das mãos. O produto não é tóxico, nem inflamável. “Foi pensado, principalmente, para quando as crianças voltarem às aulas, pois é seguro para aplicação no rosto, inclusive nas mucosas do olho, boca e nariz”, explica o executivo.

A solução pode, ainda, ser aplicada em peças de roupas, evitando o mau cheiro e descartando a necessidade de lavagem com água ao mesmo tempo que garante um escudo de proteção contra microorganismos por sete dias. Lançada em abril de 2020, a iniciativa foi premiada pela Singularity University no Pandemic Challenge, desafio criado para identificar soluções contra o coronavírus.

A startup também busca atuar como aliada da sustentabilidade, reduzindo o consumo de água, a dependência dos desodorantes e antitranspirantes convencionais e gerando menos resíduos para o meio ambiente. A empresa trabalha com a coleta de frascos vazios para o descarte e reutilização correta dos materiais, compensação de suas emissões de gás carbônico, oferece embalagens biodegradáveis, não realiza testes em animais e quer incentivar o uso de produtos livres de alumínios e parabenos. Nesse sentido, a Visto.bio está em busca de parcerias com projetos sociais que contribuam para o planeta.

Com crescimento de 20% ao mês, a startup fechou 2020 com faturamento de R$ 2,5 milhões. Até 2023, a expectativa é atender cerca de 400 mil pessoas em todo o Brasil, com um faturamento médio de R$ 100 milhões ao ano. “Estamos fazendo o trabalho nacional, mas temos planos de levar nossas soluções para o mundo todo. Quero fazer os produtos chegarem ao maior número de mãos possível”, conclui Scooby.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: