As apostas de Fábio Coelho, presidente do Google Brasil, para os negócios no pós-pandemia

Crise sanitária levou sete em cada vez pequenas e médias empresas a passarem por revolução digital para promover seus produtos.

Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Lu Aith/Divulgação
Lu Aith/Divulgação

Fábio Coelho, presidente do Google Brasil

Acessibilidade


A pandemia de Covid-19 forçou negócios que antes focavam apenas no varejo físico a passarem por uma revolução digital. Com isso, sete em cada dez pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras – segundo dados de março deste ano da FGV (Fundação Getulio Vargas) e do Sebrae – recorreram às redes sociais e plataformas de comércio eletrônico para promover os seus produtos e interagir com os consumidores.

No decorrer de quase um ano e meio de crise sanitária, o Google foi uma das empresas que estimularam o processo de transformação digital das PMEs no país. Ao longo de 2020, mais de 207 mil companhias e organizações sem fins lucrativos utilizaram as plataformas de publicidade da gigante de tecnologia para entrar em contato com os consumidores em meios digitais, movimentando R$ 67 bilhões no Brasil.

LEIA TAMBÉM: 10 ideias para ganhar dinheiro na internet

Conversamos com o presidente do Google Brasil, Fábio Coelho, sobre as tendências de negócios no futuro pós-pandemia.

Confira três insights extraídos da entrevista com o executivo:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  • E-commerce fortalecido: setor que mais se consolidou durante a pandemia, o varejo eletrônico teve um faturamento de R$ 53,4 bilhões no primeiro semestre deste ano, 31% a mais do que no mesmo período em 2020, de acordo com o relatório Web-shoppers, da Ebit. Para Coelho, o segmento deve continuar aquecido em um futuro pós-Covid. “O empreendedor percebeu que precisava estar conectado”, afirma. “Hoje, a grande maioria deles já entendeu que pode ser um varejista digital e enviar produtos diretamente para o consumidor final”.

    Getty Images
  • Inclusão financeira: com a possibilidade de acessar o auxílio emergencial por meio de um aplicativo, a Caixa Econômica acabou por intensificar o processo de inclusão financeira digital no país. “Com o PIX e a estruturação do open banking, o mundo das finanças vai sofrer uma grande transformação”, afirma o executivo. Segundo ele, novas opções de pagamento para um número maior de pessoas vão surgir em um futuro bem próximo.

    SOPA Images/Getty Images
  • Omnicanalidade: a fusão entre os canais de vendas físicos e digitais é mais uma aposta do executivo do Google Brasil. “Todos os pontos de contato com o consumidor têm seu objetivo, e o redesenho dos papéis desses canais passa a levar em conta o espírito de promover uma experiência diferente”, diz. No mundo presencial, segundo ele, empresas focarão em ambientes agradáveis e atendimento diferenciado. Já no virtual, as barreiras de pagamentos e disponibilidade de produtos passarão a ser quase nulas.

    Blue Planet Studio/Getty Images

E-commerce fortalecido: setor que mais se consolidou durante a pandemia, o varejo eletrônico teve um faturamento de R$ 53,4 bilhões no primeiro semestre deste ano, 31% a mais do que no mesmo período em 2020, de acordo com o relatório Web-shoppers, da Ebit. Para Coelho, o segmento deve continuar aquecido em um futuro pós-Covid. “O empreendedor percebeu que precisava estar conectado”, afirma. “Hoje, a grande maioria deles já entendeu que pode ser um varejista digital e enviar produtos diretamente para o consumidor final”.

Reportagem publicada na edição 89, lançada em agosto de 2021.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: