Apetite de compras da Olist mostra que o céu não é o limite para o e-commerce

Capitalizada após investimentos do SoftBank, startup de soluções para o comércio digital completa quatro aquisições e segue rumo à construção de um ecossistema.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

Tiago Dalvi: “Com cada vez mais pessoas comprando online, é notável o crescimento contínuo do share de e-commerce no varejo total” (Crédito: Divulgação)

Acessibilidade


A Olist, startup que oferece soluções para o comércio eletrônico, anunciou na sexta-feira, 29, a compra de mais duas empresas, as gaúchas Tiny ERP e Vnda. Em 2020, já havia adquirido a empresa de logística Pax e a de soluções Clickspace. Os movimentos ocorrem após um aporte de R$ 310 milhões do SoftBank, em novembro do ano passado. Com as duas novas aquisições, o objetivo da Olist é criar um ecossistema de e-commerce que possa atender aos lojistas virtuais de forma integrada.

“O nosso crescimento é um indicativo de que o processo de digitalização acelerado provocado pela pandemia mostrou novos horizontes aos lojistas de maneira geral, que se adaptaram rapidamente à nova realidade e seguem realizando investimentos em suas lojas online, mesmo após a retomada do comércio físico”, diz Tiago Dalvi, CEO do Olist que, em entrevista à Forbes Brasil, ressalta os impactos da transformação digital no ecossistema de e-commerce e marketplaces no Brasil que, em 2020, cresceu 68% indo a R$ 123,6 bilhões em receitas.

LEIA TAMBÉM: Capitalizada, Nuvemshop investe R$ 150 milhões e cria a Nuvem Pago

Forbes – Como tem sido o contexto para a empresa nos últimos meses?
Tiago Dalvi – Passamos dos 1.200 colaboradores enquanto aprimoramos muito o nosso produto, trazendo melhorias de atendimento. Esse resultado é um indicativo de que o processo de digitalização acelerado provocado pela pandemia mostrou novos horizontes aos lojistas de maneira geral, que se adaptaram rapidamente à nova realidade e seguem realizando investimentos em suas lojas online, mesmo após a retomada do comércio físico.

Forbes – O que vocês mapeiam de tendências no segmento para os próximos meses e como a empresa espera se comportar?
Tiago – Com cada vez mais pessoas comprando online é notável o crescimento contínuo do share de e-commerce no varejo total. Por outro lado, mais lojistas, marcas e empresas acessam o canal digital como forma de ampliar os resultados dos seus negócios. Uma concorrência cada vez maior exige alto nível de sofisticação e diferenciação por parte de quem entra neste mundo onde conveniência, competitividade e qualidade no produto e na operação passam a se tornar essenciais para alcançar o sucesso.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Forbes – Na prática, o que faz o negócio da Olist dar certo?
Tiago – Nós servimos quem nós já fomos no passado. Aprendemos com as dores de como é ser um lojista no Brasil e inovamos ao criar o modelo de negócios do Olist simplificando o conceito do que é necessário para digitalizar um varejista.

Forbes – Como está o segmento em relação a demanda por novos investimentos?
Tiago – Nosso mercado está bastante concorrido, dinâmico e capitalizado. Para se destacar dado o atual contexto, focar no cliente é uma condição essencial para ter sucesso.

Compartilhe esta publicação: