Sabrina Sato fala sobre Satiko, sua influenciadora virtual

Apesar de ser inspirada na apresentadora, a persona virtual terá outro perfil definido como jovem e aventureira; o projeto está sendo desenvolvido há três meses pela Biobots.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

A Satiko foi desenvolvida pela Biobots e levou três meses entre a concepção e a finalização (Crédito: Divulgação)

Acessibilidade


A apresentadora Sabrina Sato apresenta, nesta segunda-feira, 22, a Satiko,  avatar desenvolvido pela Biobots que, apesar de ser inspirada na artista, terá perfil diferente. Jovem e aventureira, Satiko terá como premissa criar identificação com o público de Sabrina, seguidores ou não, e também alcançar novas pessoas. “Eu venho acompanhando o mercado sinto que esse novo formato na produção de conteúdo proporciona experiências e oportunidades. Para mim, a Satiko nasce para chegar também a novos públicos, me permitindo alcançar não só os meus, mas novos seguidores”, diz Sabrina Sato à Forbes Brasil.

“A Satiko vai me ajudar a criar experiências totalmente novas, por exemplo, ela pratica esportes que eu não prático, estará em lugares onde eu não posso estar. Terá uma personalidade muito mais livre e solta”, explica. Em termos de estratégia de negócios, Sabrina explica que a Satiko será capaz de conversar com diferentes públicos e sobre diferentes assuntos. “Ela não será exclusivamente para fins comerciais, mas construirá uma narrativa que promove empatia humor e, além disso, fazer publicidade para marcas que tenham sinergia com sua personalidade. Eu também quero que ela tenha um papel social muito grande, mas do que influenciadora eu quero que ela seja uma encorajadora com coragem de realizar, fazer e viver”, afirma.

Ainda de acordo com Sabrina, considerando outros avatares que já existem, e o fato de que o Brasil está em segundo lugar no consumo de influenciadores virtuais, as oportunidades são inúmeras. “Já temos avatares que construíram histórias de forma inovadora e as pessoas, assim como eu, caíram no gosto desses influenciadores, pois possuem vida própria, amigos, família, preferências e personalidade.” Por fim, a apresentadora reforça que a Satiko terá traços físicos e personalidade parecida com ela. “Ela é plural, será minha forma de explorar uma auto expressão, única, descolada.”

LEIA TAMBÉM: “Não crie um simples avatar, coloque o Jordan para vender tênis”, diz Olivia Merquior

Ricardo Tavares, CEO da Biobots, explica que a Satiko é o primeiro grande projeto da empresa e comenta os desafios de desenvolver a persona virtual de alguém tão conhecido. “Foi um grande desafio, justamente pelo fato de ela ser uma grande personalidade e com características muito marcantes. E o mais interessante, é que logo no começo definimos que a Satiko seria totalmente diferente da Sabrina. Enquanto ela tem 40 anos, é mãe e casada, a Satiko chega com outro lifestyle, sendo mais jovem e aventureira.”, explica. “Podemos citar como exemplo a Magalu que é a influenciadora virtual de maior sucesso e seguidores no mundo, entre outras. Ela foi uma grande fonte de estudo e uma de nossas inspirações. E acreditamos que ainda existam oportunidades de desdobramentos, monetização e mais engajamento por meio dos NFT’s, que é o que queremos.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Esse avatar está sendo desenvolvido há três meses, e, além da ilustração em si, que passa por diversas etapas como a modelagem, versão 3D, texturização e animação, também tem a parte de criação da personalidade da influenciadora virtual. “Neste caso, desenvolvemos o projeto em parceria com a celebridade. O maior desafio é na construção de um conteúdo bem desenvolvido e uma estratégia definida junto à celebridade. Na primeira fase dessa construção, nós apresentamos a primeira versão da ilustração, além do desafio de como queremos que ela se vista e porte no mundo digital. Depois precisamos unir a nossa versão com o briefing do cliente”, afirma.

LEIA TAMBÉM: Às vésperas da Black Friday, avatares ganham relevância como promotores de vendas

“Para criar a Biobots, fizemos meses de pesquisas e estudos, além de conversar com especialistas em outros países. Entendemos que esse é um mercado em grande desenvolvimento, podemos até dizer que é uma herança ou extensão do mercado de games que é muito estabelecido aqui no Brasil. Nós acreditamos que esse é o futuro e que o sucesso no Brasil vai ser tão grande quanto o que já vemos nos Estados Unidos, principalmente agora com toda a movimentação do Facebook e Microsoft”, destaca Tavares.

Compartilhe esta publicação: